“Leis Mariana Ferrer”: deputadas querem aumento de pena e responsabilização de juízes

Após a humilhação sofrida em julgamento pela digital influencer estuprada, dois projetos de lei foram propostos

Imagem ilustrativa (Foto: Freepik)

O caso do estupro da influencer digital Mariana Ferrer, em Florianópolis (SC), motivou duas deputadas federais a apresentarem projetos de lei endurecendo as penas para o crime e obrigando magistrados a garantir a integridade das vítimas durante os julgamentos.

Mariana Ferrer viu seu agressor ser inocentado diante da alegação de ter cometido um “estupro culposo” (quando não há intenção de cometer o crime), uma tipificação que não existe no Código Penal brasileiro. Além disso, foi humilhada pelo advogado do acusado durante o julgamento.

Integridade da vítima

O primeiro projeto de lei é da deputada federal Lídice da Mata (PSB-BA) e foi assinado por mais 25 parlamentares. Ele obriga advogados, promotores e juízes a garantirem a integridade da vítima, sendo dever do magistrado assegurar a ordem durante o julgamento. O juiz que se omitir poderá ser responsabilizado.

Além disso, o texto proíbe a utilização de fatos e provas que não constem nos autos, sob pena de responsabilização junto aos órgãos de correição competentes e à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Fotos que Mariana postava em suas redes sociais foram mostradas no julgamento e usadas como argumento em defesa do empresário André de Camargo Aranha, acusado pelo crime. 

O ocorrido durante o julgamento foi filmado e vazou para a imprensa. As imagens mostram o advogado de Aranha humilhando Mariana, que chorou em vários momentos.

Para os deputados que assinaram o projeto de lei, a gravação mostra que a moça sofreu “uma verdadeira violência psicológica” durante a audiência, com ofensas e julgamentos sobre fatos alheios aos autos.

Estupro de vulnerável

O outro projeto de lei é de autoria da deputada Daniela do Waguinho (MDB-RJ). Ele aumenta a pena para quem cometer estupro de vulnerável. Hoje, a pena é de reclusão de 8 a 15 anos. Se a proposta for aprovada, passará a ser de 10 a 20.

Para a parlamentar, o caso Mariana Ferrer tornou pública a necessidade de aumentar a pena de crimes em que o abuso de álcool e drogas impossíveis de visualização pela vítima são utilizados para a prática do estupro.

“O crime de estupro de vulnerável é um dos mais abomináveis previstos em nosso ordenamento jurídico. Afinal, além dos danos físicos que podem ocorrer dessa conduta, os danos psicológicos são devastadores, causando uma mácula irreparável”, ela defendeu.

O ocorrido durante o julgamento de Aranha levou à abertura de processos disciplinares contra o advogado do empresário no Conselho Nacional de Justiça e na Ordem dos Advogados do Brasil.

(Com Agência Câmara de Notícias)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGaris são ameaçados com arma por deixar tampa de lixeira bater
Próximo artigoRock faz bem pra saúde? Pesquisa aponta relação entre música intensa e saúde mental