Lei seca: prisões por embriaguez ao volante caem 19% em MT

Queda é explicada pela pandemia de covid-19, já que fiscalizações ficaram suspensas por seis meses

Em 2020, o número de prisões por embriaguez ao volante caiu em Mato Grosso. Nas 28 edições da Operação Lei Seca, 136 motoristas foram detidos. No ano passado, 163 condutores foram autuados. Ao todo, a queda é de 19%, segundo a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT).

No total, foram realizados 2.567 testes de etilômetro (bafômetro) e 1.285 Autos de Infração de Trânsito (AITs). No período, também foram recolhidas 65 Carteiras Nacionais de Habilitação (CNH) e 554 veículos foram removidos.

A Operação Lei Seca é realizada de forma integrada e coordenada pelo Gabinete de Gestão Integrada (GGI-E) da Sesp. As ações integradas de 2020 foram realizadas nos municípios de Cuiabá, Várzea Grande e Sorriso.

Queda e a covid-19

A queda é explicada pela pandemia de covid-19. As primeiras edições deste ano foram realizadas de janeiro a março, quando houve uma pausa de seis meses nas operações em razão da pandemia da covid-19.

As atividades retornaram somente em setembro, com a estrutura operacional reformulada para garantir o distanciamento social.

“Houve uma diminuição no número de edições em razão da pandemia, mas mesmo com as fiscalizações paradas por seis meses, o número de motoristas conduzidos por embriaguez ao volante é semelhante ao de 2019, em que houve quase o dobro de edições”, reflete o assessor do GGI, capitão PM Lucas Maciel.

Legislação

A multa para o motorista que é flagrado dirigindo sob efeito alcoólico é de R$ 2.934,70.

No momento do teste do bafômetro, o condutor que tiver índice de álcool no sangue superior a 0,33 miligramas por litro de ar expelido será preso, pagará multa, terá a CNH suspensa e responderá por crime.

Quando a quantidade de álcool for abaixo de 0,33mg/l, o condutor é autuado, tem a CNH retida e paga multa.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorRetrospectiva 2020: mobilidade, pronto-socorro e parques que “salvaram” Cuiabá
Próximo artigoRetrospectiva 2020: a retomada de uma obra após 36 anos