Ladrão é esfaqueado ao tentar roubar taxista e procura a polícia para reclamar

O taxista quebrou a faca do ladrão e, com uma adaga, conseguiu reagir

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Um jovem de 22 anos procurou a polícia no último sábado (21) para registrar um boletim de ocorrência atípico. Ele queria contar ter cometido uma tentativa de assalto no início de março, em que esfaqueou a vítima reagiu e acabou o esfaqueando.

Segundo o relato do rapaz, eram por volta das 13 horas do dia oito de março quando ele foi até o ponto de táxi que fica em frente ao Goiabeiras Shopping, no Bairro Goiabeiras, em Cuiabá, e pediu uma corrida até o Bairro Santa Rosa II, onde mora.

Ao chegar no ponto de parada, no entanto, ele puxou uma faca e anunciou um assalto, dizendo ao taxista que era para ele passar todo o dinheiro que tinha.

Adaga

O que ele não esperava é que o taxista também tinha uma arma branca, uma adaga, que ele pegou e partiu para cima do ladrão.

Os dois iniciaram uma luta e o ladrão, segundo seu próprio relato à polícia, deu várias facadas no taxista, que, ao tentar se defender, chegou a quebrar a faca do suspeito.

Quando conseguiu desarmar o ladrão, o taxista deu um golpe de faca na mão dele. Depois disso, o suspeito fugiu a pé e o taxista também saiu do local.

O ladrão foi socorrido em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Várzea Grande (região metropolitana de Cuiabá), onde foi medicado e liberado.

Boletim

Somente nesse sábado, 13 dias após o ocorrido, ele procurou a polícia e resolveu registrar um boletim de ocorrência confessando o crime e contando tudo que aconteceu.

Ao ouvir o relato, a Polícia Judiciária Civil checou o nome dele e viu que não constava nenhum mandado de prisão em aberto.

Ele, então, somente foi intimado a retornar à Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Cuiabá nesta quarta-feira (25), quando deverá se apresentar e prestar novo depoimento.

O caso foi registrado como tentativa de roubo seguido de morte, sendo o rapaz que registrou o boletim colocado como suspeito e o taxista – não identificado – como vítima.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEnfermeiros e o coronavírus: solidariedade nas redes sociais e abandono na prática
Próximo artigoNegócio da China