Justiça nega relaxamento da prisão de acusado da morte de Marielle

(Divulgação)

A Justiça do Rio de Janeiro negou o pedido de relaxamento da prisão do ex-policial militar Élcio Queiroz, um dos acusados de participação na morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, crime ocorrido no dia 14 de março do ano passado, no bairro do Estácio. O pedido de habeas corpus foi negado pelo juízo da 4ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça.

O autor dos disparos é exímio atirador, segundo a perícia técnica, porque, com os dois carros em movimento, conseguiu atingir 4 tiros na cabeça da vereadora.

De acordo com a Divisão de Homicídios da capital, Elcio é quem dirigia o carro Cobalt usado no crime. Ele saiu de casa, em Engenho de Dentro, na zona norte, e rumou em seu carro para a Barra da Tijuca, cruzando a Linha Amarela.

As câmeras de segurança flagraram Élcio chegando na Barra, local de onde partiu o carro rumo à Rua dos Inválidos, na Lapa.

A vereadora participava de uma palestra na Casa das Pretas. Depois do encontro, Marielle e o motorista Anderson iam para a Tijuca, residência da parlamentar, quando ocorreu a emboscada no meio do trajeto.

De acordo com as investigações, os disparos teriam sido feitos pelo sargento reformado da PM Ronnie Lessa, que também está com a prisão preventiva decretada.

Os dois estão à disposição da Justiça, no presídio federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. A primeira audiência de instrução do processo será realizada por videoconferência, em junho.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCom “Dia do Sim” buffet apresenta prévia de festa de casamento aos noivos
Próximo artigoMaio amarelo tenta conscientizar motoristas sobre cuidados no trânsito