Justiça nega pedido de trabalho feito por defesa de PM preso

Edivaldo Junior Rodrigues Marques de Souza é apontado como o responsável pela morte da universitária Adriele da Silva Munis em uma briga de trânsito

(Foto: Ekaterina Bolovtsova / Pexels)

A Justiça negou o pedido de liberação para trabalho em área administrativa feito pela defesa do policial militar Edivaldo Junior Rodrigues Marques de Souza. O servidor está preso e é apontado como o responsável pela morte da universitária Adriele da Silva Munis durante uma briga de trânsito.

No pedido, a defesa pontuou que as atividades seriam aquelas que não fazem uso de arma de fogo. Contudo, o juiz da 12º Vara Criminal de Cuiabá, Flávio Miraglia Fernandes, justificou a negativa destacando que o acusado encontra-se preso preventivamente, conforme decretado pela Terceira Câmara Criminal.

A decisão de Fernandes foi divulgada no Diário de Justiça Eletrônico dessa segunda-feira (2).

O crime

Adriele da Silva Munis morreu após ser atingida por tiros disparos por Edvaldo

O Ministério Público do Estado denunciou Edvaldo por homicídio qualificado no caso de Adriele e por tentativa de homicídio contra outras três pessoas que estavam com ela no carro, no dia do crime, 18 de dezembro de 2016.

De acordo com as investigações, dois amigos da vítima estavam levando ela e seu namorado para suas residências. O motorista do carro, enquanto descia pela avenida Isaac Póvoas, e antes de chegar à avenida Tenente-coronel Duarte, fez uma ultrapassagem, na lateral dianteira do veículo da frente, que era conduzido pelo policial militar.

Na sequência, o denunciado e sua namorada iniciaram uma discussão com os amigos de Adriele. Com a finalidade de cessar a briga, o motorista do carro que as vítimas estavam acelerou o veículo para sair do local.

O policial militar, porém, passou a perseguir o carro das vítimas, e desferiu os disparos de arma de fogo que atingiram Adriele, que estava no banco traseiro do carro. A jovem chegou a ser levada ao Pronto Socorro, mas não resistiu e veio a óbito.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCurso online gratuito conecta jovens ao primeiro emprego
Próximo artigoPP tenta blindar pré-candidatura de Neri Geller contra mudanças