Justiça nega afastamento de Romoaldo, mas pede bloqueio de bens

O deputado e outras 15 pessoas são acusadas de desviar R$ 9,4 milhões dos cofres da Assembleia Legislativa em 2014

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A Justiça negou o pedido de afastamento do deputado estadual Romoaldo Junior (MDB), feito pelo Ministério Público Estadual (MPE) em ação civil pública por ato de improbidade administrativa. Na decisão, por sua vez, o juiz Bruno D´Oliveira Marques determinou a indisponibilidade de bens do parlamentar até o julgamento da ação, originária da Operação Ventríloco, que tem como um dos objetivos o ressarcimento do erário.

Romoaldo e outras 15 pessoas são acusadas de desviar R$ 9,4 milhões dos cofres da Assembleia Legislativa, em 2014, por meio de pagamentos superfaturados ao banco HSBC, com quem o Parlamento tinha uma dívida ajuizada. À época, o deputado presidia o Legislativo em substituição a José Geraldo Riva. Ele nega as acusações e havia classificado o pedido de afastamento como “exagero” do Ministério Público.

Embora o montante supostamente desviado seja superior a R$ 9 milhões, o magistrado determinou o bloqueio de bens no total de R$ 4,7 milhões, uma vez que o investigado Joaquim Fábio Mielli Camargo já teria depositado R$ 2,2 milhões nos autos de outro processo, bem como teria feito o acordo, juntamente com o advogado Júlio César Domingues Rodrigues, para devolver mais R$ 2,2 milhões.

Além de Romoaldo, o sequestro de bens atingiu as contas de José Riva, do ex-deputado Mauro Savi (DEM), do ex-procurador-geral da Assembleia Legislativa Anderson Flávio de Godoi, do servidor Luiz Márcio Bastos Pommot e do ex-servidor Francisvaldo Mendes Pacheco.

Bruno D´Oliveira Marques determinou ainda o bloqueio de R$ 95 mil nas contas do ex-deputado Gilmar Fabris e da ex-servidora Ana Paula Ferrari Aguiar, R$ 868 mil  do empresário José Antonio Lopes, R$ 830,7 mil dos ex-servidores Cleber Antonio Cini e Marcelo Henrique Cini, outros R$ 738,8 mil de Edilson Guermandi de Queiroz, R$ 401 mil de Claudinei Teixeira Diniz, R$ 280,5 mil de Leila Clementina Sinigaglia Daroit e Valdir Daroit, todos empresários e R$ 50 mil do ex-servidor Odenil Rodrigues de Almeida.

“A priori, reconheço a plausibilidade das alegações do autor quanto aos fatos imputados aos requeridos, razão pela qual se justifica a indisponibilidade dos bens dos demandados, respeitada a proporcionalidade no valor detalhada acima, visando assegurar o resultado útil da tutela jurisdicional, qual seja, o ressarcimento ao erário na hipótese de julgamento procedente do pedido”, diz o juiz em trecho da decisão.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCartunista homenageia merendeira heroína de escola de Suzano
Próximo artigoDiretores de “Vingadores: Ultimato” confirmam que trailers foram alterados

O LIVRE ADS