Justiça nega liberdade a homem que matou funcionário de empresa em VG

Acusado ainda teria efetuado disparos contra outra pessoa após discussão por causa de caminhão

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O juiz da 1ª Vara Criminal de Várzea Grande, Murilo Moura Mesquita, manteve no dia 26 deste mês a prisão preventiva de Leandro Costa Souza, detido desde agosto do ano passado pela acusação de matar o funcionário de uma transportadora de medicamentos localizada no município, Sdiney Marcelino da Silva.

O crime foi motivado por conta de uma discussão a respeito de um caminhão da empresa.

Segundo as investigações, no dia do crime o acusado ainda baleou Peterson Adilson de Camargo Dahmer, que estava escondido no local após ver o colega de trabalho ser vítima de um tiro fatal.

O magistrado rejeitou a tese formulada pela defesa, de constrangimento ilegal por excesso de prazo e falta de fundamentação da prisão preventiva diante da nova redação contida no parágrafo único do artigo 316 do Código de Processo Penal, de que é necessária uma nova fundamentação a cada 90 dias.

Também foi rejeitado o pedido de substituir a prisão preventiva pelo uso de tornozeleira eletrônica, diante do entendimento de que não há fatos novos que justifiquem a liberdade.

Além disso, foi ressaltado que a prisão preventiva foi decretada não apenas pela existência de uma vítima sobrevivente, mas para preservar a ordem pública diante da gravidade concreta dos atos imputados na denúncia oferecida pelo Ministério Público Estadual (MPE).

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSTF retoma sessões
Próximo artigo“Mauristas” versus “silvalsistas”