Justiça nega bloqueio de R$ 80 milhões de conselheiro e empresários denunciados por esquema

A juíza, porém, determinou a quebra do sigilo fiscal das empresas denunciadas; prejuízo teria sido de R$ 37 milhões, segundo o MPE

(Foto: TCE-MT)

A juíza Célia Regina Vidotti, da Vara de Ação Civil Pública e Popular de Cuiabá, não autorizou a indisponibilização de até R$ 80 milhões em bens do conselheiro Sérgio Ricardo e outros dois empresários. Contudo, determinou a quebra do sigilo bancário e fiscal de duas empresas investigadas no mesmo esquema.

Em novembro eles foram acusados pelo Ministério Público do Estado (MPE) de promoverem o desvio de R$ 37 milhões dos cofres de Mato Grosso.

A suposta fraude teria acontecido por meio da concessão irregular de benefícios fiscais ao frigorífico Superfrigo, do empresário Ciro Zanchet Miotto. Segundo o MPE, para conseguir o benefício o empresário teria pagado R$ 2,5 milhões em propina para o grupo do ex-governador Silval Barbosa.

O valor da propina seria usado para quitar um empréstimo com o empresário Ricardo Padilha Neves, proprietário da Aval Securitizadora. Por sua vez, o empréstimo foi feito para pagar um “13º mensalinho” para deputados estaduais.

Sem provas

Na decisão, assinada nessa quarta-feira (11), a juíza citou que faltariam provas que comprovem a transação bancária citada na denúncia, que está pautada pelas delações premiadas do ex-secretário Pedro Nadaf e de Silval Barbosa.

Vidotti ainda ponderou que a concessão de um benefício fiscal para a empresa foi considerada ilegal pelo MPE porque a medida foi tomada diante de pagamento de propina.

No entanto, segundo a juíza, “não há indícios probatórios que a empresa não faria jus ao referido beneficio, do qual, inclusive, já usufruído anteriormente”.

A juíza ainda destacou que, pelos documentos anexados ao processo, o dano causado aos cofres públicos parece ser decorrente da falta de fiscalização por parte do Governo, e não da concessão do benefício fiscal.

Quebra de sigilo fiscal

Apesar de não autorizar o bloqueio de valores, a juíza determinou a quebra do sigilo fiscal e bancário das empresas citadas.

“A gravidade dos fatos narrados nesta ação e a necessidade de comprovar os detalhes do ilícito, que foram revelados em colaboração premiada firmada pelo ex-governador do Estado de Mato Grosso, Silval Barbosa, bem como pelo requerido Pedro Jamil Nadaf, justificam a medida excepcional”, justificou.

De acordo com a juíza, as informações deverão revelar a destinação dos valores pagos pelo Estado e outras movimentações importantes.

Leia também

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGame of Thrones foi a série mais buscada no Google em 2019
Próximo artigoEx chefe da Defensoria e dois servidores são condenados por desvio de combustível