Justiça mantém tornozeleira em servidor acusado de cobrar propina de R$ 4 mil

Dinheiro foi cobrado de empresário do transporte intermunicipal para não proceder com autuações por irregularidades

(Foto: Agência Brasil)

Juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Ana Cristina Mendes se negou a atender o pedido de servidor público lotado na Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso (Ager) para ser dispensado do uso de tornozeleira eletrônica. Ele é suspeito de receber propina no valor de R$ 4 mil para não lavrar um auto de infração contra um empresário.

A decisão foi publicada nesta quinta-feira (18).

A defesa alegou constrangimento ilegal, uma vez que, já transcorreram nove meses da investigação e, até o momento, não houve o oferecimento da denúncia criminal com a acusação de corrupção passiva.

No entanto, a magistrada argumentou que o servidor público é reincidente na acusação. Em abril de 2018, em Diamantino (137 km de Cuiabá), ele teria cobrado propina de um grupo empresarial do ramos dos transportes.

A proposta – feita em conjunto com outro servidor – seria para não lavrar um auto de infração e firmar uma “parceria”, pondo fim às autuações por falhas e irregularidades na frota de ônibus.

“Não vislumbrando qualquer fato novo, capaz de gerar a reanálise das medidas cautelares impostas, indefiro o pedido de revogação da medida cautelar de monitoração eletrônica”, diz um dos trechos da decisão.

O servidor público ainda deve cumprir outras medidas cautelares como a proibição de comparecer à sede e redondezas da Ager, assim como ao posto da agência localizado na Rodoviária de Cuiabá. Ele também permanecer suspenso do exercício da função pública.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJustiça de MT autoriza reabertura de mercado suspeito de vender carne roubada
Próximo artigoHomem confessa assassinato de comerciante e diz como teria acontecido o crime