Justiça mantém prisão de acusado de matar empresária em VG

Homem é suspeito de ter auxiliado na ocultação de cadáver e de envolvimento com o tráfico de drogas

(Foto: Reprodução)

O juiz da 4ª Vara Criminal de Várzea Grande, Abel Balbino, se negou a revogar a prisão preventiva de Pedro Paulo de Arruda, suspeito de participação no latrocínio (roubo seguido ou precedido de morte) da empresária Rosemeire Soares Perin.

A decisão foi dada na segunda-feira (22).

Pedro Paulo de Arruda é suspeito de ter auxiliado Jefferson Rodrigues da Silva a ocultar o cadáver da vítima. Além disso, também é suspeito de ter envolvimento com o tráfico de drogas.

A defesa pediu a revogação da prisão preventiva em troca de medida cautelar, como o uso de tornozeleira eletrônica e comparecimento mensal em juízo.

Porém, o Ministério Público deu parecer contrário, alegando a gravidade da conduta que é a participação direta no assassinato da empresária visando obter bens da vítima.

Por outro lado, se manifestou favorável ao desmembramento do processo com relação ao suposto crime de tráfico de drogas.

O magistrado ressaltou que o crime foi cometido gera repulsa na sociedade e para garantia da ordem pública manteve a prisão preventiva. Com relação à acusação de tráfico de drogas, remeteu a denúncia a Terceira Vara Criminal de Várzea Grande, pois não mantém vínculo com os crimes de latrocínio e ocultação de cadáver.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMovimento Energia do Bem, criado pela Energisa, ajuda Mato Grosso a enfrentar a pandemia
Próximo artigoSem lockdown à vista