Justiça mantém condenação de mulher que mandou matar o marido e o amante

Cleia Rosa dos Santos Bueno, conhecida como “Viúva negra”, foi condenada a 44 anos de prisão pelas mortes do marido e do amante

(Foto: Ekaterina Bolovtsova / Pexels)

A Justiça manteve a condenação de Cleia Rosa dos Santos Bueno, conhecida como “Viúva negra”, a 44 anos de prisão pelas mortes do marido Jandirlei Alves Bueno e do amante Adriano Gino. O crime aconteceu em Sinop (500 km de Cuiabá).

Conforme a denúncia oferecida pelo Ministério Público de Mato Grosso, em outubro de 2016, a mando de Cleia, Adriano Gino e outro indivíduo não identificado mataram o marido dela, Jandirlei, com golpes de faca.

Segundo apurado durante as investigações, o casal Cleia Rosa e Jandirlei passava por uma crise conjugal quando ela facilitou a entrada do amante em casa para assassinar o marido, simulando um latrocínio.

Com o falecimento do marido, Cleia Rosa e Adriano Gino passaram a morar juntos e, após alguns meses, a relação estremeceu e ele passou a ameaçá-la em caso de separação.

Assim, tempos depois ela dopou o companheiro e acionou Adriano dos Santos e José Graciliano para matá-lo enquanto dormia.

Condenação

Os três foram condenados em julho do ano passado, após três dias de julgamento. Cleia, conhecida como “Viúva negra”,recebeu a pena de 44 anos e nove meses de reclusão pelas mortes do marido Jandirlei Alves Bueno e do amante Adriano Gino, além da ocultação de cadáver da segunda vítima.

Já Adriano dos Santos e José Graciliano dos Santos foram condenados pela morte e ocultação de cadáver de Adriano Gino, respectivamente, a 13 anos e seis meses e a 16 anos, sete meses e 15 dias de reclusão.

Recurso

José Graciliano  pediu a nulidade do julgamento por violação do direito ao silêncio.

Os três condenados ainda requereram a nulidade sob o argumento de que não houve o preenchimento dos requisitos necessários ao uso de algemas nos recorrentes durante a sessão de julgamento do júri.

Cleia também alegou que a decisão foi contrária à prova dos autos. Todas as teses foram rejeitadas pelo relator do processo, desembargador Gilberto Giraldelli.

Apesar dos argumentos, o trio teve o pedido negado pela Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, sendo mantidas as penas aplicadas.

LEIA TAMBÉM

(Com informações da assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“O grande problema dos combustíveis é a política da Petrobrás”, diz Mauro Mendes
Próximo artigoHomem esfaqueia ex-mulher e depois tenta o suicídio