Justiça impõe multa a policiais penais que se recusaram a receber presos

Categoria está paralisada desde o dia 15 e, no último sábado (25), trabalhadores não receberam os presos em Campo Novo do Parecis, por isso foi aplicada multa de 10 salários mínimos a esses grevistas

(Foto: Reprodução)

A greve dos policiais penais em Mato Grosso ganhou mais um capítulo, desta vez, o desembargador Pedro Sakamoto determinou que seja aplicada uma multa de 10 vezes o salário mínimo a policiais penais que se recusaram a receber presos em Campo Novo do Parecis (390 km de Cuiabá). A categoria parou as atividades em 15 de dezembro e, desde então, os presos estão sendo remanejados.

A decisão foi proferida pelo desembargador Pedro Sakamoto nesta quinta-feira (30) e, no texto, o desembargador Pedro Sakamoto lembrou que o fato ocorreu no sábado (25). A nova manifestação da Justiça autorizou ainda o desconto em folha de pagamento das multas efetivamente aplicadas, inclusive, com desconto de até 30% do salário ao mês até que se atinja o valor total da sanção.

Sakamoto ainda estendeu a multa diária fixada aos dirigentes do Sindicato dos Servidores Penitenciários de Mato Grosso (Sindspen), no valor de R$ 50 mil, aos diretores regionais sindicais.

“Contudo, o bloqueio dos ativos financeiros desses indivíduos somente poderá ser realizado a partir de notícias de descumprimento da determinação de retorno às atividades após a publicação desta decisão, para que aqueles que porventura já tenham se conformado com as ordens desta Corte Estadual não sejam penalizados de modo generalizado pela desídia de seus colegas”, frisou.

O que diz o sindicato?

A Selvático Advogados, representante do Sindspen, defendeu que a categoria tem se pautado pela legalidade e afirmou que não houve qualquer citação das decisões judiciais já proferidas até agora desde o início da greve.

A representante jurídica do Sindicato negou que os servidores estejam agindo de má-fé. Pelo contrário, argumentou que a diretoria sindical tem trabalhado bastante em prol da pauta que vem sendo defendida pelos policiais penais. Inclusive, informou que parte dos servidores mobilizados está em Brasília para debater a pauta do movimento paredista.

A greve

A paralisação das atividades iniciou em 15 de dezembro e os servidores cobram a valorização salarial.

Desde o início da greve, a Justiça determinou o movimento grevista como ilegal e também determinou a retomada das atividades. Porém, a categoria decidiu por se manter paralisada.

Em outras decisões judiciais, a presidência do Sindicato foi afastada e a diretoria teve as contas pessoais e sindicais bloqueadas, mas ainda assim, não retomou as atividades.

LEIA TAMBÉM

(Atualizada às 10h28)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorETA Tijucal suspende abastecimento devido a forte chuva
Próximo artigoHomem invade casa para estuprar mulher e apanha dela de rodo