Justiça Eleitoral autoriza MPE a entrar em ação que acusa Selma Arruda de caixa-dois

Desembargador havia negado a participação do MPE no processo do suposto "caixa-dois"

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

O desembargador do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) Pedro Sakamoto autorizou o Ministério Público Eleitoral (MPE) a entrar na ação que verifica a suspeita de abuso econômico e caixa-dois de campanha contra a senadora eleita por Mato Grosso Selma Arruda (PSL).

Com a decisão, obtida pelo site Folha Max, o magistrado pretende evitar que o MPE entre com uma nova ação para que seja analisado o mesmo caso. Sakamato, anteriormente, havia negado a participação do Ministério Público Eleitoral no processo envolvendo o suposto caixa-dois de campanha.

O desembargador também analisou, na mesma decisão, e ainda de acordo com a reportagem do site, o pedido do Ministério Público da quebra de sigilo bancário de Selma e de seu primeiro suplente, Gilberto Possamai (PSL). O magistrado, porém, ainda não teria decidido, pois a senadora eleita se prontificou a entregar, de forma voluntária, suas movimentações bancárias.

“No que diz respeito ao pedido de quebra do sigilo bancário dos réus Selma Rosane Santos Arruda e Gilberto Eglair Possamai, antes de deliberar definitivamente acerca da necessidade da medida, haja vista a concessão de novo prazo para a apresentação de defesa, franqueio aos requeridos a possibilidade de apresentarem extratos mais detalhados e que incluam as movimentações financeiras de suas poupanças integradas, nos moldes descritos pelo MPE, de modo a aferir a origem e o destino dos recursos que transitaram em suas contas no período em questão, notadamente porque inexiste urgência para a apreciação desse requerimento”, diz trecho da decisão.

No dia 3 deste mês o Ministério Público Eleitoral pediu a cassação e a quebra de sigilo bancário da candidata a senadora Selma Arruda (PSL) e do primeiro suplente de sua chapa.

A procuradora regional eleitoral, Cristina Nascimento de Melo, acusa Selma e Gilberto de terem contraído despesas de natureza eleitoral de R$ 1.234 milhão.

“Tendo pago a quantia de R$ 700.000,00 com recursos de origem desconhecida que não tiveram regular trânsito pela conta bancária oficial”, afirmou a procuradora. “Relembre-se que foram efetuados 5 pagamentos mediante cheque, 4 deles no valor de R$ 150.000 e outro no valor de R$ 100.000, totalizando R$ 700.000 de efetivo caixa 2 de campanha”, completou.

A procuradora eleitoral solicitou a inclusão do MPE na ação de investigação judicial eleitoral (AIJE) movida pelo então candidato a senador Sebastião Carlos (Rede). O candidato se baseou no processo movido pelo ex-marqueteiro da adversário, Luiz Gonzaga Rodrigues Junior, conhecido como Junior Brasa, dono da agência Genius, que cobra o pagamento de R$ 1,16 milhão.

Segundo o publicitário, os quatro primeiros cheques para pagar despesas de pré-campanha foram emitidos por Selma, somando R$ 550 mil, e o último por Possamai, no valor de R$ 150 mil. A procuradora destacou que “logo na primeira fase já foram executados serviços de criação de conceito, de logomarca e do jingle, gastos típicos de uma campanha.”

Outro lado:

Em entrevista coletiva à imprensa, realizada dia 3 de outubro, Selma Arruda negou ter feito caixa dois e disse que os gastos realizados foram para sua preparação pessoal. Ela afirmou que as acusações são uma armação política.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorImea prevê ligeiro aumento na demanda pelo milho mato-grossense
Próximo artigoArtista plástica Marlene Trouva expõe pinturais táteis e ecológicas na Geleria Arto