Justiça dá acesso a provas sobre desvio de R$ 7 milhões à Receita Federal

Pedidos estão sendo feitos à justiça para embasar ações da Equipe Regional de Fiscalização de Combate à Fraude

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A justiça mato-grossense atendeu a mais um pedido da Superintendência Regional da Receita Federal e autorizou o compartilhamento de provas que apontaram desvios milionários dos cofres do Estado. Dessa vez, o pedido – e a autorização – foram feitos pela juíza Ana Cristina Silva Mendes, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, no âmbito da Operação Seven. A decisão é do dia 6 de junho.

No processo em questão, são réus o ex-governador Silval Barbosa, o ex-secretário de Estado Pedro Nadaf, e ainda Chico Lima, Filinto Correa da Costa, Afonso Dalberto, Arnaldo Alves de Souza Neta, José de Jesus Nunes Cordeiro, Wilson Gambogi Pinheiro Taques, Cláudio Takayki Shida e Francisval Akerley da Costa.

O pedido para compartilhamento de provas foi feito no início de abril e recebeu manifestação favorável por parte do Ministério Público do Estado.

Além das provas contidas no âmbito da Operação Seven, a Receita Federal também pediu acesso a outros casos, como a Operação Sodoma, que apurou esquema de corrupção e lavagem de dinheiro em Mato Grosso.

A ideia é que os documentos possam servir para os trabalhos da Equipe Regional de Fiscalização de Combate à Fraude da 1ª Região Fiscal.

Seven

A ação foi movida pelo Ministério Público do Estado, ainda em 2016, por organização criminosa e peculato.

Com duas fases, deflagradas pelo Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), o objetivo era apurar esquema de desvio e lavagem de dinheiro, por meio de fraude em processo de desapropriação de uma área rural, durante a gestão do ex-governador Silval Barbosa.

Conforme o MPE, o grupo criminoso, formado por 13 pessoas, teria causado um rombo de R$ 7 milhões, ao fazer a aquisição de um imóvel de 721 hectares, de propriedade de Filinto Corrêa da Costa, por um valor superfaturado em R$ 4 milhões. Contudo, o mesmo terreno já teria sido “comprado” pelo governo do estado anos antes.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHappy Hour no reduto da cuiabania tem chope em dobro por R$ 9,90
Próximo artigoProdução de grãos no Brasil deve ser de 238,9 milhões de toneladas