Justiça condena homem que matou bebê de um ano, por ciúme

O homem teria espancado a criança e deixado o corpo enrolado em um lençol

Imagem ilustrativa

Tallys Henrique Piris de Miranda foi condenado a 20 anos de prisão por ter assassinado Hector Ulisses Batista Gomes, de apenas um ano e nove meses, filho de sua ex-companheira.

A sentença foi proferida nesta terça-feira (23) pela juíza Mônica Catarina Perri Siqueira, da 1ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá.

Segundo o processo, Hector era filho de Danyela com outro homem e era motivo de ciúmes por parte de Tallys. O casal chegou a morar junto, mas se separou após um caso de agressão. Contudo, continuaram namorando e chegaram a ter um bebê, que nasceu prematuro e ficou internado em um hospital de Cuiabá.

No dia do crime, o casal deixou Hector com os tios da mulher e foi ao hospital, onde receberam a notícia de que o recém-nascido estava em estado grave e que provavelmente faleceria.

À noite, o acusado buscou Hector, que estava com os tios da namorada em uma barraca de lanches no bairro Dom Aquino, e perguntou onde estava Danyela. Ele voltou ao local quase uma hora e meia depois, e pediu que ela fosse encontrá-lo na casa de sua mãe.

Quando a mulher chegou, eles teriam brigado, em razão da demora da mulher. Naquela noite, horas depois, ele aproveitou quando ela foi ajudar os tios a recolher a barraca de lanches e matou a criança, por puro ciúme.

Conforme o processo, ele teria espancado o bebê e, depois, deixado seu corpo enrolado em uma coberta, deitado no colchão na sala da casa. Em seguida, sentou-se no sofá e assistiu televisão. Quando Danyela chegou e percebeu a gravidade da situação, levou Hector ao hospital, mas o bebê não resistiu e morreu.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLei que reduz incentivos fiscais em MT vai a votação sem consenso
Próximo artigoEx-secretário é investigado por suposto superfaturamento de R$ 3,4 milhões

O LIVRE ADS