Justiça condena família a pagar R$ 20 mil por descumprir quarentena

Eles haviam se comprometido a cumprir o isolamento social depois de ter contato com um parente que testou positivo para covid-19

(Foto: Reprodução)

Quatro pessoas de uma mesma família de Juína (740 km de Cuiabá) foram condenadas a pagar R$ 20 mil em multa por descumprirem medidas de isolamento social determinadas pela vigilância sanitária do Município.

A sentença do juízo da 1ª Vara confirmou uma liminar deferida anteriormente, obrigando as quatro pessoas a se manterem em isolamento domiciliar durante o período de incubação do novo coronavírus ou da divulgação de exames laboratoriais que atestassem a ausência de contágio da doença.

A Ação Civil Pública (ACP) foi proposta pela 1ª Promotoria de Justiça Cível.

De acordo com o Ministério Público de Mato Grosso (MPMT), a famílias fez uma viagem a Cuiabá, na qual mantiveram contato direto com um familiar posteriormente diagnosticado com covid-19.

Eles, então, assinaram Termo de Consentimento Livre e Esclarecido com os órgãos sanitários do Município e receberam as devidas orientações para o cumprimento a quarentena de forma consensual.

Contudo, acabaram descumprindo a medida de isolamento e passaram a circular normalmente pela cidade.

De acordo com o juiz Fabio Petengill, eles “cometeram ato ilícito e isso não depende da constatação posterior de que não haviam contraído o vírus da covid-19”, isso porque “a finalidade da imposição de isolamento era preventiva, de precaução do interesse coletivo”.

Ainda segundo o magistrado, independentemente de os requeridos terem transmitido o vírus ou não a outras pessoas, o fato de estarem “perambulando” pela cidade, ainda que com baixíssima incidência de contaminação à época, provocou sim o receio de que tivessem contaminado vários cidadãos.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMPE quer multa ao Atacadão por vistoria de compras
Próximo artigoCovid-19: estudo prevê fim da primeira onda em outubro e da segunda em março