Justiça bloqueia contas bancárias e veículos de acusados de tráfico em MT

Operação Hot Money também cumpre mandados de prisão e busca e apreensão em Goiás

Foto: Polícia Federal de Mato Grosso

A Justiça Federal de Goiás determinou o sequestro de bens dos investigados na Operação Hot Money, deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira (20) para desmantelar uma organização criminosa responsável pelo tráfico de drogas na região conhecida como Vale do Araguaia.

No total, houve o bloqueio de 11 contas bancárias, além de veículos de luxo por conta da alta movimentação de valores em espécie dos investigados. Os nomes dos acusados e a quantia bloqueada não foi informada pela Polícia Federal.

Foram expedidos sete mandados de prisão preventiva e outros 21 de busca e apreensão cumpridos nos municípios mato-grossenses de Barra do Garças, Querência, Porto Esperidião e Pontes e Lacerda. Em Goiás, os agentes da Polícia Federal atuaram nos municípios de Aragarças e Jussara.

Três presos em flagrante

Já houve a prisão de três pessoas em flagrante-delito pelo crime de tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo e apreensão de quantias de dinheiro.

As investigações tiveram início em janeiro de 2021, quando a Polícia Federal identificou a similaridade de atuação de pequenos traficantes de drogas que atuavam na região do Vale do Araguaia.

No transcorrer das diligências, foi identificado que um dos traficantes recebia uma alta quantidade de drogas e distribuía aos demais.

O nome da operação deve-se ao fato de que todos os investigados têm no tráfico de drogas o seu modo de vida. Nesse sentido, paradoxalmente, “esquentam o dinheiro” através do exercício da mercancia de drogas ilícitas. Consequentemente, esse “dinheiro quente” em espécie é a única “fonte de renda” da maioria dos investigados.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAfinal, o que ainda falta para as aulas presenciais serem retomadas em MT?
Próximo artigoLicença ambiental: “não é um projeto de esquerda ou de direita”, diz Geller