Justiça aceita denúncia e ex-secretário e outros sete viram réus por fraude na Saúde

Huark os outros membros da suposta organização criminosa estariam agindo para destruir provas contra o grupo

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A juíza Ana Cristina Silva Mendes, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, acolheu a denúncia contra o ex-secretário de saúde de Cuiabá, Huark Douglas Correia, e outros sete por um esquema de monopólio nos contratos da Saúde municipal, nessa quarta-feira (30).

Huark e outras sete pessoas foram alvos da segunda fase da Operação Sangria, deflagrada no dia 18 de dezembro, com o objetivo de desmantelar uma suposta organização criminosa que fraudava contratos de prestação de serviços médicos hospitalares. Segundo o Ministério Público do Estado (MPE), o ex-secretário de saúde seria líder do esquema.

Com a decisão da Justiça, tornaram-se réus Huark Douglas Correia; Fábio Liberali Weissheimer; Luciano Correia Ribeiro; Celita Natalina Liberali Weissheimer; Adriano Luís Alves Souza; Fábio Alex Taques Figueiredo; Flávio Alexandre Taques da Silva e Kedna Iracema Fontenele Servo Gouvea.

De acordo com o Ministério Público, o grupo teria constituído uma organização criminosa com atuação em todo o Mato Grosso, com o objetivo de fraudar licitações e cometerem crimes contra a administração pública, se aproveitando de “prestígio político” e ocupação de cargos e funções públicas na área da saúde para provocar situações emergenciais, a fim de justificar a contratação das empresas envolvidas (Proclin, Qualycare e Prox) por dispensa de licitação, por valores superiores aos contratos substituídos.

[featured_paragraph]”Deste modo, sustenta que os integrantes, no exercício de cargos públicos teriam garantido a contratação de empresas, das quais seriam sócios de fato, violando o caráter competitivo dos processos licitatórios e, em tese, teriam promovido a prática de sobrepreço a fim de viabilizar o ganho indevido para a organização”, diz trecho do documento. [/featured_paragraph]

Ainda conforme a denúncia, o grupo teria, inclusive, agido para atrapalhar as investigações comandadas pela Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz), promovendo a destruição de provas do envolvimentos dos denunciados.

Consta no documento que o maior responsável por “blindar” as investigações seria o acusado Adriano Luís, que, durante as investigações da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde, movida na Câmara de Cuiabá, ordenou que os computadores e notebooks da empresa Proclin tivessem o conteúdo apagado.

O réu ainda determinou às acusadas Celita e Kedna que fizessem uma “varredura” nos documentos físicos que contivessem o nome de Huark. Ele confessou, segundo o MPE, que picotou os documentos relacionados ao ex-secretário de saúde e que entregou os retalhos ao Fábio Liberalli.

A operação

A segunda fase da Operação Sangria foi deflagrada como desdobramento do cumprimento de 11 mandados de busca e apreensão expedidos pela 7ª Vara Criminal de Cuiabá, no dia 4 de dezembro.

O objetivo da investigação apurar irregularidades em licitações e contratos firmados com as empresas Proclin (Sociedade Mato-Grossense de Assistência Médica em Medicina Interna), Qualycare (Serviços de Saúde e Atendimento Domiciliar LTDA) e a Prox Participações, firmados com o município de Cuiabá e o Estado.

Depois da primeira operação, um segundo inquérito policial foi instaurado, uma vez que a Defaz identificou que os investigados estariam “destruindo, ocultando, coagindo testemunhas, usando de força política para atrapalhar o levantamento de informações e ainda fazendo pagamentos pendentes com o fim de arredondar documentos para encobrir as fraudes”, conforme a delegada titular da Defaz, Maria Alice Barros Martins Amorim.

Nessa ocasião, ocorreram as prisões. Apenas o ex-secretário adjunto de saúde, Flávio Taques, foi preso dias depois, porque estava foragido. Ele é acusado de ter queimado provas documentais.

 

Leia também

Secretário de Saúde é acusado de pagar mais de R$ 8 milhões para empresa que representa

Empresa de saúde diz ter sido usada politicamente para atacar secretário

Delegado pede ajuda da população e diz que “muita gente morreu por falta de atendimento”

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJuan Guaidó denuncia invasão de sua casa por militares na Venezuela
Próximo artigoLeilão de quatro aeroportos de MT atrai investidores internacionais