Justiça aceita denúncia e ex-secretário e outros sete viram réus por fraude na Saúde

Huark os outros membros da suposta organização criminosa estariam agindo para destruir provas contra o grupo

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

A juíza Ana Cristina Silva Mendes, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, acolheu a denúncia contra o ex-secretário de saúde de Cuiabá, Huark Douglas Correia, e outros sete por um esquema de monopólio nos contratos da Saúde municipal, nessa quarta-feira (30).

Huark e outras sete pessoas foram alvos da segunda fase da Operação Sangria, deflagrada no dia 18 de dezembro, com o objetivo de desmantelar uma suposta organização criminosa que fraudava contratos de prestação de serviços médicos hospitalares. Segundo o Ministério Público do Estado (MPE), o ex-secretário de saúde seria líder do esquema.

Com a decisão da Justiça, tornaram-se réus Huark Douglas Correia; Fábio Liberali Weissheimer; Luciano Correia Ribeiro; Celita Natalina Liberali Weissheimer; Adriano Luís Alves Souza; Fábio Alex Taques Figueiredo; Flávio Alexandre Taques da Silva e Kedna Iracema Fontenele Servo Gouvea.

De acordo com o Ministério Público, o grupo teria constituído uma organização criminosa com atuação em todo o Mato Grosso, com o objetivo de fraudar licitações e cometerem crimes contra a administração pública, se aproveitando de “prestígio político” e ocupação de cargos e funções públicas na área da saúde para provocar situações emergenciais, a fim de justificar a contratação das empresas envolvidas (Proclin, Qualycare e Prox) por dispensa de licitação, por valores superiores aos contratos substituídos.

[featured_paragraph]”Deste modo, sustenta que os integrantes, no exercício de cargos públicos teriam garantido a contratação de empresas, das quais seriam sócios de fato, violando o caráter competitivo dos processos licitatórios e, em tese, teriam promovido a prática de sobrepreço a fim de viabilizar o ganho indevido para a organização”, diz trecho do documento. [/featured_paragraph]

Ainda conforme a denúncia, o grupo teria, inclusive, agido para atrapalhar as investigações comandadas pela Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz), promovendo a destruição de provas do envolvimentos dos denunciados.

Consta no documento que o maior responsável por “blindar” as investigações seria o acusado Adriano Luís, que, durante as investigações da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde, movida na Câmara de Cuiabá, ordenou que os computadores e notebooks da empresa Proclin tivessem o conteúdo apagado.

O réu ainda determinou às acusadas Celita e Kedna que fizessem uma “varredura” nos documentos físicos que contivessem o nome de Huark. Ele confessou, segundo o MPE, que picotou os documentos relacionados ao ex-secretário de saúde e que entregou os retalhos ao Fábio Liberalli.

A operação

A segunda fase da Operação Sangria foi deflagrada como desdobramento do cumprimento de 11 mandados de busca e apreensão expedidos pela 7ª Vara Criminal de Cuiabá, no dia 4 de dezembro.

O objetivo da investigação apurar irregularidades em licitações e contratos firmados com as empresas Proclin (Sociedade Mato-Grossense de Assistência Médica em Medicina Interna), Qualycare (Serviços de Saúde e Atendimento Domiciliar LTDA) e a Prox Participações, firmados com o município de Cuiabá e o Estado.

Depois da primeira operação, um segundo inquérito policial foi instaurado, uma vez que a Defaz identificou que os investigados estariam “destruindo, ocultando, coagindo testemunhas, usando de força política para atrapalhar o levantamento de informações e ainda fazendo pagamentos pendentes com o fim de arredondar documentos para encobrir as fraudes”, conforme a delegada titular da Defaz, Maria Alice Barros Martins Amorim.

Nessa ocasião, ocorreram as prisões. Apenas o ex-secretário adjunto de saúde, Flávio Taques, foi preso dias depois, porque estava foragido. Ele é acusado de ter queimado provas documentais.

 

Leia também

Secretário de Saúde é acusado de pagar mais de R$ 8 milhões para empresa que representa

Empresa de saúde diz ter sido usada politicamente para atacar secretário

Delegado pede ajuda da população e diz que “muita gente morreu por falta de atendimento”

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.