Juízes de MT cobram reajuste do auxílio-alimentação

Categoria diz que houve sensível aumento do custo de vida com inflação que atinge preços de gás de cozinha e energia elétrica. Novo valor também favorecerá desembargadores.

(Foto: Assessoria)

A Associação Mato-grossense dos Magistrados (Amam) requereu ao Tribunal de Justiça um reajuste no valor do auxílio-alimentação pago mensalmente aos juízes e desembargadores.

Atualmente, o valor é fixado em R$ 1.150,00. Vale lembrar que o salário inicial de um juiz de Direito devidamente aprovado em concurso público corresponde a uma média de R$ 23 mil.

A reivindicação é que o auxílio-alimentação seja equivalente a 5% do salário dos juízes e desembargadores, elevando assim o benefício para uma média de R$ 1.444,21 a R$ 1.773,11.

O pedido assinado pelo presidente da Amam, juiz Tiago Souza de Abreu, foi encaminhado à presidente do Tribunal de Justiça, desembargadora Maria Helena Póvoas. Embora tenha sido protocolado em junho, ainda não foi deliberado em caráter administrativo. O novo valor do auxílio-alimentação precisa ser submetido à votação pelo pleno do Judiciário, composto por 30 desembargadores, em sessão administrativa.

De acordo com estimativas da Amam, atualmente são gastos R$ 316.250 mil com auxílio alimentação. Se aprovado, os gastos com auxílio alimentação serão elevados R$ 447.934,82. Assim, o impacto financeiro será de R$ 131,6 mil.

Aumento do custo de vida

No requerimento, associação dos magistrados diz que houve aumento do custo de vida, em especial em 2020, com o aumento de produtos básicos para a garantia da sobrevivência.

“[…] É sabido que houve sensíveis alterações no custo de vida do brasileiro, mormente em virtude da inflação e das sucessivas altas dos alimentos básicos, gás de cozinha e energia elétrica, etc, portanto, evidente que o auxílio alimentação esta defasado”, disse.

Para reforçar a defesa do novo valor do auxílio-alimentação, a Amam diz que o valor pago em Mato Grosso está abaixo dos tribunais de Justiça de outros Estados, citando os exemplos de Piauí e Maranhão que pagam, respectivamente, R$ 1.797,68 e R$ 1.726,99.

Ainda é ressaltado que o novo valor do auxílio alimentação “amenizará o orçamento doméstico dos magistrados”.

“Nesse norte, solicitamos a majoração do valor do auxílio para o valor equivalente a 5% do subsidio, conforme hoje é pago o auxílio saúde, visto que se não repõe todas as perdas inflacionárias, certamente amenizar o orçamento domestico dos magistrados mato-grossense”, conclui.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

2 COMENTÁRIOS

  1. Errados estão os demais servidores públicos, que utilizam o seu salário para comprar alimentos…. Não, pera ai.
    Errado estão esses que não compram os mesmos alimentos que os demais servidores, preferindo comprar os alimentos que tiveram alta inflação… Não, pera ai…. Já não sei mais.

  2. Esses caras de pau querem mais grana pública para cair na farra nos restaurantes chques. Toma vergonha na cara. Isso é herança maldita do socialismo de esquerda. Querem ficar só mamando na máquina estatal!!!

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCuiabá: segundo trimestre soma mais de R$ 1 bi em negociações imobiliárias
Próximo artigo“O presidente entendeu que precisa ceder”, diz Geller sobre nomeação de Ciro Nogueira