Jovem que matou a amiga por causa de fofoca vai a júri popular

Intriga e fofoca foram os combustíveis que culminaram no crime que marcou para sempre a vida de duas famílias

Fernanda (de branco), a vítima, e Aldirene (de vinho), a acusada (Foto do Instagram de Fernanda)

Denunciada pelo Ministério Público por ter assassinado a melhor amiga com uma facada no peito, a jovem Aldirene da Silva Santana, 26 anos, vai ser julgada por um júri popular. A decisão é do juiz da Primeira Vara Criminal de Rondonópolis (210 km de Cuiabá), Wagner Plaza Machado Junior.

A dona de casa vai ser julgada pelo assassinato de Fernanda Souza Silva, 22 anos. O crime aconteceu no dia 26 de fevereiro deste ano e teria sido motivado por uma fofoca. A intimação foi recebida pelo advogado de Aldirene, Adeir Alexsander Froder.

O juiz acatou a denúncia do MP, que diz que “há prova da materialidade e indícios de autoria”. Ela vai responder por homicídio duplamente qualificado: por motivo fútil e ter impedido a defesa da vítima.

Fernanda morreu em decorrência de lesões no coração e pulmão, dado o golpe na região torácica esquerda.

Motivo fútil

A defesa de Aldirene pediu a exclusão da qualificadora “motivo fútil”, mas o MP se mostra desfavorável. Esse ponto deve ser rediscutido no julgamento.

Em suas alegações finais, a defesa relata que Aldirene teria agido para se defender, pois “a ré praticou o crime por acreditar que no momento do fato a vítima representava perigo para ela”.

Mas o MP discorda, dizendo que o crime teria sido praticado por motivo fútil. Conforme o promotor, Aldirene teria ficado com ciúmes ao descobrir que Fernanda já teria se relacionado com seu ex-namorado. Por isso, espalhou uma fofoca sobre a amiga para o homem com quem Fernanda se relacionava.

“Na data dos fatos, em razão dessas fofocas, Fernanda e o sujeito puseram fim ao relacionamento. Todavia, Fernanda resolveu tomar satisfações com Aldirene sobre o motivo da intriga, ocasião em que se dirigiu até a quitinete em que ela residia e, após uma breve discussão, a ré tomou posse de uma faca e desferiu um golpe no peito da vítima, que morreu devido às lesões no pulmão e coração”, justifica o MP.

A data do julgamento ainda não foi anunciada. Atualmente, Aldirene está em liberdade condicional e cumpre medidas cautelares.

A reportagem do LIVRE foi até Rondonópolis para saber mais detalhes sobre o caso e contou essa história:

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHomem aproveita que cunhada está alcoolizada e inconsciente e a estupra
Próximo artigoNovas taxas do Detran são sancionadas

O LIVRE ADS