Jovem participante de grupo intitulado “Massacre MT” é ouvida em delegacia

Investigações da inteligência da PM apontaram que o grupo planejava ataques a duas escolas de Várzea Grande

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Uma jovem de 19 anos foi ouvida em Várzea Grande (região metropolitana de Cuiabá) nessa segunda-feira (18) a respeito de um grupo no WhatsApp criado para supostamente planejar massacres em escolas públicas de Mato Grosso. A jovem chegou a fazer parte do grupo e a compartilhar uma imagem dele.

Conforme o boletim de ocorrência, investigações da equipe de Inteligência do 4º Batalhão da Polícia Militar apontaram que a estudante teria enviado alguns áudios no grupo intitulado “Massacre MT”, dizendo que comandaria um massacre nas escolas estaduais Jaime Veríssimo de Campos Júnior e Marlene Marques, ambas em Várzea Grande.

Representantes das escolas ficaram sabendo do grupo e registraram dois boletins de ocorrência pedindo providências da polícia, o que deu início às investigações sobre os possíveis atentados.

Uma testemunha, segundo o boletim de ocorrência registrado nessa segunda-feira (18), denunciou a participação a jovem que foi ouvida nessa segunda e, temendo represálias pela denúncia, também registrou um boletim de ocorrência.

Diante das três denúncias e da investigação, os policiais chegaram à casa da jovem de 19 anos, no Bairro Mapim, em Várzea Grande, a encontraram e ela confirmou que no domingo (17), outro jovem a colocou em um grupo chamado “Massacre MT”, que tinha como intuito planejar ataques a escolas estaduais de Mato Grosso.

A jovem alegou, no entanto, conforme o boletim de ocorrência, que logo após ser colocada no grupo mandou uma mensagem para o criador dizendo: “eu tô de boa, mano [sic]” e saiu do grupo.

Porém, ainda segundo a jovem, ela fez um print do grupo e publicou em seu status do WhatsApp, com a frase: “O bagulho vai ficar louco [sic]”.

A jovem foi encaminhada para a delegacia, acusada de apologia de crime ou criminoso. O caso segue em investigação pela Polícia Judiciária Civil.

Leia também:
Grupo planejava atentado a escola no interior de Mato Grosso

Jovem que criou grupo de ameaça a escola de Cáceres se diz arrependido