Jovem de 17 anos descobre gêmeo parasita que vivia dentro de seu corpo

Gêmeo vivia no abdômen da irmã e possuía cabelo, dentes e coluna cervical

Já imaginou viver quase 20 anos com um parasita dentro do seu corpo? E se esse parasita fosse seu irmão?

Pois foi exatamente isso o que aconteceu com uma indiana de 17 que descobriu que tinha uma das condições médicas mais raras. Ela tinha um saco em seu abdômen e dentro, estava seu irmão gêmeo. Este gêmeo tinha cabelo, dentes e coluna vertebral.

A BMJ Case Reports publicou seu caso. Esta condição, conhecida como fetus in fetu, ocorre quando um gêmeo fetal absorve o outro durante uma fase muito precoce da gravidez.

O feto não desenvolve seu próprio sistema nervoso nem seu cérebro, mas ainda é capaz de se manter com vida com ajuda do irmão, no caso, da irmã.

Geralmente essa condição culmina em um aborto espontâneo já que o feto maior não tem a nutrição suficiente. Quando sobrevivem, esse mal é diagnosticado depois do nascimento e durante a primeira infância.

Jovem fez descoberta aos 17 anos

Antes deste caso, segundo os médicos que trataram a mulher, só outros sete haviam sido documentados. Até agora, todos eram os fetos parasitas eram homens.

A terrível experiência da mulher, contada com todo detalhe por seus médicos, começou cinco anos antes da consulta.

Foi quando ela e sua família notaram pela primeira vez que tinha um vulto duro e deformado em seu abdômen. Durante os seguintes cinco anos, o volume foi crescendo gradualmente e começou a provocar dor periodicamente. Quando a jovem de 17 anos visitou os médicos, era incapaz de comer.

No exame físico inicial, suspeitavam que o nódulo era um tumor. E em certo sentido, era. Mas quando realizaram uma tomografia, encontraram depósitos de cálcio que pareciam ter a forma de vértebras, costelas e ossos longos, e foi então quando descobriram a obscura realidade do assunto. Após isto, os médicos trataram de eliminá-lo.

Segundo o relatório do caso, o tumor consistia em cabelos, ossos e outras partes do corpo. Entre estas partes do corpo tinha múltiplos dentes e estruturas que se assemelham ao começo das extremidades. Seu tamanho bastante impressionante -36×16×10 centímetros – também o transformam no maior fetus in fetu encontrado até então.

Felizmente, a mulher se recuperou sem maiores problemas.