Jornal Valor Econômico destaca Manejo Florestal Sustentável praticado em Mato Grosso

A edição deste final de semana do jornal aponta os benefícios ambientais e econômicos gerados pela atividade, que emprega cerca de 90 mil pessoas

(Jornal Valor Econômico)

Reportagem publicada na edição de sábado, domingo e segunda-feira (22, 23 e 24) do jornal Valor Econômico destaca a liderança do estado de Mato Grosso na produção de madeira nativa, legal, certificada e rastreável, com o Manejo Florestal Sustentável, bem como os benefícios ambientais e econômicos gerados pela atividade.

Assinada pelo jornalista Rafael Walendorff – que esteve no município de Alta Floresta para conhecer locais de manejo -, a reportagem aponta que o segmento “é o principal motor da economia de 44 municípios do norte mato-grossense”, ocupando 4,7 milhões de hectares em 2021 e empregando cerca de 90 mil pessoas.

A publicação explica que o Manejo Florestal Sustentável consiste na retirada de árvores nativas maduras da mata. O corte é planejado e previamente aprovado pelos órgãos ambientais, que monitoram as áreas por meio de satélite.

Conforme estabelecido no Código Florestal, 80% de uma propriedade rural localizada na Amazônia constitui reserva legal e, por isso, precisa ser conservada. Nessa área é feito o Manejo Florestal Sustentável, as árvores são identificadas e marcadas e somente podem ser retiradas 30 metros cúbicos por hectare, o equivalente a oito árvores (com mais de 50cm de diâmetro) em uma área equivalente a um campo de futebol.

“No MFS, o trabalho segue um detalhado plano de manejo, feito por engenheiros florestais e submetido à aprovação e o controle da Secretaria de Meio ambiente do Estado […] As Áreas de Preservação Permanente (APP) não são exploradas e o impacto ambiental é limitado”, explica o jornalista, em trecho da reportagem.

Após mapeamento da área, são devidamente identificadas com uma placa de metal as árvores que serão manejadas, as que ficarão como “porta sementes” – para garantir a perpetuação de espécies e o nascimento de novas plantas -, as que ainda não atingiram ponto de extração e as que correm risco de extinção e, por isso, não podem ser cortadas.

“Depois de manejada, a área é isolada e fica em ‘pousio’ por 25 anos para regeneração e crescimento da vegetação nativa. A árvore madura, considerada um ‘estoque de carbono’ em sua biomassa, abre espaço para o nascimento de, em média, três novas plantas, com entrada de luminosidade na mata”, esclarece a publicação.

O presidente do Sindicato dos Madeireiros do Extremo Norte de Mato Grosso (Simenorte-MT) e do Fórum Nacional das Atividades de Base Florestal (FNBF), Frank Rogieri, afirma que o Manejo Florestal Sustentável é a melhor e mais eficaz ferramenta que o Brasil possui atualmente de conservação de floresta em pé.

“Ao mesmo tempo em que protege e conserva, gera e distribui renda e melhora a qualidade de vida das pessoas da floresta”, declarou ao periódico.

A secretária de estado de Meio Ambiente de Mato Grosso, Mauren Lazzaretti, também ouvida pelo jornalista, reforça a importância da atividade para manutenção das reservas legais e pontuou as ações realizadas pelo governo do estado para fortalecer a cadeia produtiva sustentável e lícita.

“O estado tem investido em melhorias da rastreabilidade como estratégia para eliminar madeira ilegal, e vamos lançar em 2022 dois projetos importantes para fortalecer a cadeira produtiva sustentável e lícita”, anunciou.

A reportagem detalha ainda as normas do Plano de Manejo Florestal Sustentável (PMFS) que garantem legalidade e rastreabilidade da madeira retirada pelo segmento e os resultados econômicos positivos registrados durante a pandemia.

Confira aqui a íntegra da matéria.

(Da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCatólica demitida por usar crucifixo vence processo contra empregadores no Reino Unido
Próximo artigoDenis Villeneuve diz que está terminando roteiro de Duna 2