Jogo com capivara que sobrevive ao fim do mundo garante prêmio da Nasa a jovens de MT

O mundo acabou e só uma capivara sobreviveu. Como ela vai se virar?

Um grupo de oito jovens de Mato Grosso pode ter a oportunidade de conhecer as instalações da Agência Espacial Norte-Americana (Nasa). E o melhor, a viagem sai de graça, totalmente custeada pela agência.

Tudo graças a um jogo em que o personagem principal é uma capivara que sobreviveu ao fim do mundo. A missão do jogador: repovoar o planeta.

Para chegar nesse “nível”, eles tiveram que vencer a NASA Space Apps Challenge. Uma maratona de 48 horas de trabalho, criada pela agência espacial. Nela, a regra era abusar da criatividade para resolver desafios reais enfrentados no mundo.

A competição ocorreu simultaneamente em 200 cidades ao redor do planeta, nos dias 19 e 20 de outubro. Em Mato Grosso, o desafio reuniu 100 participantes.

De 25 temas apresentados, apenas 13 deles se tornaram desafios para os participantes resolverem. Foi quando o estudante Otávio Mendonça teve que optar por um “Plano B”, porque sua área escolhida não estava entre as propostas.

Nessa altura, ele nem imaginava que se tornaria ganhador da competição.

O rapaz é estudante de Engenharia de Controle e Automação da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e disse que foi um desafio ter que desenvolver o projeto, principalmente por não ser sua área de “domínio”.

Ele contou ao LIVRE que a equipe chegou até a desanimar, ao perceber o que os concorrentes estavam projetando. Mas com o incentivo de um dos mentores da competição, a equipe criou gás e gerou o projeto.

Equipe desenvolveu jogo que ensina ciência (Foto: Reprodução)

O apocalipse e a capivara

O tema da equipe era “Build Your Planet” (que significa “construa seu planeta”, em inglês). A proposta foi elaborar um jogo no qual o usuário pudesse criar um planeta com possibilidade de vida. E o jogo precisava ser educativo.

Diversas ideias surgiram até que o resultado final chegasse. E como ficou? Com um cenário apocalíptico.

Na história do jogo, o universo todo sumiu e só uma capivara foi sobrevivente. Mas ela conseguiu absorver todo o conhecimento do mundo e, agora, vai poder criar seu próprio planeta.

De onde saiu essa capivara? A equipe até cogitou outras possibilidades. Uma barata sobrevivente foi uma delas. Mas o animal típico da região Centro Oeste do Brasil acabou levando a melhor.

No jogo, capivara absorveu todo o conhecimento do mundo e precisa reconstruir um planeta (Foto: Reprodução)

“A gente queria criar um jogo que fosse didático e democraticamente educativo. E a gente usou a capivara como um elemento que conduzia o usuário a um nível de aprendizado”, comentou o universitário.

Ficou interessado né? Mas o jogo não está disponível. Segundo Otávio, a equipe formulou apenas o conceito do game, para exemplificar como queriam que ele ficasse.

Não há previsão de que ele saia do papel. Mas quem sabe, não é mesmo?!

Etapa 2

Depois que venceram a competição, os oito ganhadores tiveram poucos minutos para se preparar para a segunda etapa da NASA Space Apps Challenge. Ela consistiu na gravação de um vídeo curto, de 30 segundos.

Nas imagens, o grupo teria que apresentar a proposta ganhadora – em inglês. A gravação foi feita no mesmo dia e enviada para a agência americana. Agora, eles aguardam o resultado.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJeremy Renner deve sair do MCU após as gravações de “Gavião Arqueiro”
Próximo artigoChefe lava os pés dos melhores funcionários em forma de agradecimento

O LIVRE ADS