João Arcanjo e rival tinham chefes nos negócios, aponta Polícia Civil

Jogos de azar operados em Mato Grosso teriam origem em Goiás e Rio de Janeiro

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

A Polícia Civil de Mato Grosso acredita que tanto o ex-comendador João Arcanjo Ribeiro, líder da organização criminosa Colibri, quanto seu principal rival, Frederico Muller Coutinho, respondiam a chefes de outras organizações, também relacionadas ao jogo do bicho. A informação foi prestada pelo delegado Flávio Henrique Stringueta, titular da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), na tarde de quinta-feira (6).

De acordo com o delegado, as investigações apontaram que as duas organizações criminosas têm ligações com esquemas de jogos de azar dos estados de Goiás e do Rio de Janeiro.

Segundo a apuração, enquanto Frederico Muller trabalhava com o estado vizinho de Mato Grosso, onde o maior bicheiro seria Carlos Cachoeira, João Arcanjo Ribeiro trabalhava com os jogos do Rio de Janeiro, cujo líder é desconhecido.

“Eu tenho a convicção que ele [Frederico] trabalhava para alguém. Essa é a nossa linha de investigação. Um outro bicheiro de fora, acima tanto do Frederico quanto do Arcanjo. É como se fossem uma ramificação de outro local”, explicou Stringueta.

O delegado também informou que a Polícia Civil já trabalha com agentes de outros estados para buscar quem seria o líder das organizações. No entanto, ele relatou dificuldade em relação às demais polícias. Isso porque, segundo ele, o combate ao jogo do bicho não seria uma prioridade nos outros estados.

Delações

O titular da GCCO observou que quatro, dos 29 presos na operação, confessaram suas participações e delataram as ações dos superiores. Desses, um atuava como recolhedor dos valores arrecadados com as apostas, o outro seria gerente operacional no município de Tangará da Serra (240 km de Cuiabá), o terceiro era responsável pela captação de novos pontos de jogos, enquanto o último seria um dos supervisores do esquema. Todos trabalhavam para a organização Ello/FMC.

Líder da Ello/FMC, Frederico Muller ficou em silêncio durante seu interrogatório e, à imprensa, negou esclarecimentos.

Da Colibri, apenas João Arcanjo respondeu aos questionamentos dos delegados Luiz Henrique Damasceno e Juliana Chiquito Palhares, responsáveis pelos interrogatórios. Ele, porém, negou todas as acusações.

Contudo, de acordo com Stringueta, a falta de “colaboração” dos investigações não afetaria o inquérito, que deve ser finalizado e enviado para ao Ministério Público ainda nesta sexta-feira (7). À imprensa, o delegado afirmou que a Polícia Civil possui provas contra todos os alvos da operação, e que uma colaboração “interessante” seria se os líderes apontassem seus superiores.

LEIA TAMBÉM: 

Último a ser ouvido, Arcanjo é o único a falar e nega esquema

Funcionários de Arcanjo têm receio pelo histórico de violência, diz delegado

Funcionário de rival de Arcanjo delata esquema, mas líder fica em silêncio

Defesa nega liderança em esquema e pede liberdade para genro de Arcanjo 

Membro de organização rival de Arcanjo confessa participação e delata esquema 

Defesa de gerente da Colibri diz que faltam provas sobre esquema de jogos

Membros de organização se chatearam com chefe que “retirava dinheiro demais”

Dinheiro na casa de Arcanjo era lícito e de recebimento de terceiros, diz advogado

Homens de Arcanjo teriam dito que “Mato Grosso tem dono” a rival sequestrado

Saiba quem é quem na organização que levou Arcanjo de volta à prisão

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

O LIVRE ADS