Japão visita Mato Grosso para conhecer detalhes sobre origem da madeira nativa

O interesse do governo japonês é conhecer mais sobre a origem da madeira ofertada pelo estado para o mercado internacional

(Divulgação)

O Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira de Mato Grosso (Cipem) recebeu na última sexta-feira (28) Taiji Fujisaki, da Área de Recursos Naturais e Serviços Ecossistêmicos do governo do Japão. Durante a reunião foi foram apresentadas diversas informações sobre o modelo de Manejo Florestal Sustentável desenvolvido em Mato Grosso, demonstrando aspectos da legislação ambiental (em nível federal e estadual), do modelo de licenciamento e da forma de operação do setor. O interesse do governo japonês é conhecer mais sobre a origem da madeira ofertada pelo estado para o mercado internacional.

Em continuidade dessa agenda, o Cipem também promoveu uma reunião com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema-MT), durante a qual, o secretário da pasta, André Baby, explicou os mecanismos enquadrados como comando e controle, que envolvem ações de monitoramento e fiscalização da exploração florestal. Na sequência, a chefe da unidade estratégica de transparência e geoinformação da Sema-MT, Adelaine Cezar, apresentou o novo portal de transparência da secretaria, que integra e disponibiliza, online e abertamente, diversas informações ambientais, incluindo as relativas ao setor de base florestal. “Temos procurado aproveitar oportunidades como esta para mostrar aos investidores e governos de outros países que Mato Grosso tem avançado na agenda ambiental, especialmente na conservação dos ativos florestais”, disse Baby.

De acordo com Fusisaki, o interesse do governo japonês está previsto no projeto Lei da Madeira Limpa – The Clean Wood Act, cujo objetivo é promover o uso e a distribuição de madeira e produtos madeireiros de árvores colhidas em conformidade com as leis e regulamentos do Japão e dos países de origem. “O que vimos aqui é coisa de primeiro mundo, serve de exemplo para muitos países. Quando estamos longe, não temos ideia de que existe todo esse rigor e controle. Estou realmente impressionado”, relatou Fujisaki.

Em 2015, o Japão era o quarto maior importador mundial de madeira e produtos de madeira, depois da China, Estados Unidos e União Europeia, e foi o terceiro maior importador de móveis de madeira. Até 2010, a madeira mato-grossense também era bastante demandada pelos japoneses. Esse interesse diminuiu nos últimos anos e, agora, há uma expectativa de retomada. “É extremamente produtivo quando temos a oportunidade de mostrar a um país o modo como trabalhamos para garantir uma madeira com origem confiável e sustentável. Isso recompensa todos os esforços que desempenhamos para manter o árduo trabalho do setor de base florestal de Mato Grosso”, frisou o presidente do Cipem, Rafael Mason.

No início de novembro será a vez de Mato Grosso visitar o Japão, atendendo ao convite feito para que o Cipem participe do encontro anual do Conselho Internacional das Madeiras Tropicais (ITTO). No evento, o diretor do Cipem, Gleisson Tagliari, participará de um painel sobre iniciativas de promoção da madeira tropical no setor privado – uma oportunidade de colaboração, que visa mostrar as várias abordagens que estão sendo adotadas na promoção de produtos e subprodutos de madeira tropical. Ele também apresentará o potencial da indústria florestal mato-grossense no atendimento do mercado internacional de madeira com origem sustentável. Participam do encontro do ITTO, no Japão, representantes dos Estado Unidos, União Europeia, Gabão, Vietnã e China, entre outros.

 

Com Assessoria

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPesquisadora denuncia vandalismo em gruta com inscrições do povo “wauja”, em Paranatinga
Próximo artigoApós 70 dias, Santa Casa de Rondonópolis reabre UTI Pediátrica para atendimentos