Japão e Brasil estão no Top 10 de maiores consumidores de miojo no mundo

O miojo virou um dos principais pratos do brasileiro

É inegável que o brasileiro ama comidas instantâneas e uma das principais é o tradicional miojo, que salva na hora da fome e atende a combinação cotidiana: preguiça e falta de tempo.

Mas, agora é oficial que o miojo é uma das refeições mais populares do brasileiro. Nosso país está no top 10 dos maiores consumidores do produto.

Divulgado no final de agosto, o ranking de 2019 traz o Japão na quarta colocação. No país criador do macarrão instantâneo, foram consumidos 5,78 bilhões de porções de miojo em 2018. A posição do Japão é a mesma do ano passado.

O Brasil ficou em 10º lugar, com 2,37 bilhões de porções de miojo consumidos no ano passado, 7,6% a mais do que no ano anterior.

Não há outros países latino-americanos entre os 20 primeiros do ranking. Há chances de estarmos ainda mais elevados no ranking do ano que vem, já que a economia está fraca e o alimento é uma das mais baratas do mercado.

O levantamento da WINA mostra ainda que, em todo o mundo, foram consumidos 103,6 bilhões de porções de miojo no ano passado, um crescimento de 3,5% ante 2017.

“O consumo de macarrão instantâneo tem crescido porque desde a sua invenção o produto está focado em cinco princípios: ser gostoso, seguro, prático, ter longa duração e preço acessível”, diz Takashi Asano, presidente da multinacional japonesa Nissin Foods no Brasil.

Para celebrar esse marco, a Nissin preparou uma edição especial do miojo que só acompanha a embalagem transparente com o macarrão. Totalmente sem sabor para os brasileiros despertarem a criatividade na forma que preparam a refeição. Infelizmente, a edição limitada só foi vendida nessa semana nos principais centros de vendas.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFogo atinge lavouras de algodão em MT e prejuízo ultrapassa R$ 2 milhões
Próximo artigoFofão importado: Carreta da Alegria quer elenco só com imigrantes; saiba mais

O LIVRE ADS