Já fez seu testamento? Especialista diz que planejar pode evitar problemas para quem fica

Pandemia colocou problema da divisão de bens pós morte no foco de atenção dos brasileiros, que começaram a procura mais por consultorias

(Foto: Reprodução/Internet)

A pandemia do novo coronavírus – e a constatação de que, sim, é possível morrer precocemente – fez crescer a procura por consultoria para testamentos de heranças. As mortes de parentes, principalmente na faixa da meia idade, fizeram os brasileiros perceberem que é dada pouca atenção ao assunto e isso acarreta problemas. 

A advogada Renata Mangueira de Souza, mestre em Direito Processual Civil pela Universidade Católica de São Paulo (PUC), diz que o principal trabalho de consultorias durante a pandemia tem sido a “desmitificação de ideias” sobre a produção de documentos que deixam estabelecido para quem vai o patrimônio após a morte. 

“As pessoas têm umas verdades absolutas que não condizem com a realidade sobre a produção do plano sucessório. Isso acaba acarretando problemas em um momento delicado para a família, que geralmente é pouco tempo após a morte do ente querido”, afirma. 

LEIA TAMBÉM

Por exemplo, o tempo e o dinheiro gastos em processos não planejados – que envolvem procedimentos acelerados para solucionar pendências sobre a herança – são bem maiores do que num processo organizado com antecedência. 

A advogada explica que a média de prazo e custos varia de acordo com o tamanho do patrimônio e do número de pessoas que entrarão no testamento. Mas, quando planejado, o preço pode ficar até 75% abaixo do que é cobrado nos casos em que não há a participação do proprietário original dos bens. 

“Num processo que envolve um patrimônio de R$ 1 milhão, que corre sem planejamento, os custos de cartório e advogados podem consumir até 25% do patrimônio. Em um processo planejado, se esse valor pode cair bastante e o testamento pode ser concluído em semanas”, pontua. 

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Assuntos polêmicos 

A partilha de bens após a morte do dono pode ser travada por duas circunstâncias bastante comuns. A primeira é o percentual que os filhos, herdeiros diretos, têm direito. 

Conforme Renata Mangueira, a legislação brasileira estabelece como obrigatório que 50% do patrimônio seja entregue para os filhos. A outra metade pode ser destinada de acordo com a vontade do autor testamento. 

Mas esses 50% não precisam ser distribuídos em parcelas iguais para todos os filhos. O pai ou a mãe pode destinar 65% para um 35% para outro. A legislação brasileira permite isso”, afirma. 

A segunda circunstância diz respeito à participação dos cônjuges. Até 2012, o Código Civil permitia que, numa união estável com divisão igual de bens, o patrimônio fosse distribuído somente entre os filhos. O cônjuge só teria direito em caso de um relacionamento longo comprovado.

Agora, com um mês de união estável, o companheiro ou a companheira já tem direito a 25% do patrimônio. 

“A divisão de bens só funciona se ocorrer separação, ou seja, quando os dois cônjuges estão vivos. Se a pessoa está há um mês num relacionamento e morre, o filho terá que ceder 25% do patrimônio”, pontua.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDefensoria quer que padre de MT pague R$ 100 mil e se cale sobre sexo e crianças
Próximo artigoIdoso morre ao tentar apagar incêndio em seu sítio