Ivan Belém celebra 40 anos de carreira com estreia de monólogo multimídia no Teatro do Sesc

"Progresso" tem autoria de Eduardo Mahon e direção geral e de vídeo de Luiz Marchetti; apresentação será na próxima terça-feira

Em comemoração aos 40 anos de carreira artística, o ator Ivan Belém estreia seu mais novo trabalho, o monólogo “Progresso”, de autoria do escritor Eduardo Mahon e direção geral de Luiz Marchetti. O espetáculo multimídia conta com encenação teatral e audiovisual de cinema expandido, em 40 minutos que proporcionam reflexões sobre o homem, a cidade e o tempo em meio a transformações simultâneas da cultura local e nacional.

A apresentação acontece na próxima terça-feira (16), às 20h, no Teatro do Sesc Arsenal, com classificação indicativa de 16 anos. Os ingressos custam 1 litro leite UHT ou R$ 5,00 e R$ 2,50 (meia entrada) e podem ser retirados a partir das 19h no local; para comerciários e seus dependentes, a entrada é gratuita.

Além de ator, Ivan Belém é historiador, “o Clown que virou Doutor”, como definiu o dramaturgo Luiz Carlos Ribeiro, um expoente que acumula rica trajetória cênica desde o Grupo Gambiarra – precursor do teatro de rua da cidade de Cuiabá e de Mato Grosso.

“Em hebraico a palavra Belém significa Casa do Pão. Nome mais do que apropriado a quem, durante 40 anos, vem fabricando o pão da arte, esse alimento do espírito tão indispensável à vida.  E com muito humor debochado e crítico nos faz rir e pensar. O que não é pouco. Emoção e razão bem casados fazem dessa longa trajetória uma contribuição ímpar ao teatro mato-grossense”, escreveu a cineasta e teatróloga, Glorinha Albues.

Além de Ivan Belém, o processo criativo da obra, que teve início em 2017, reúne expoentes das artes mato-grossenses em seu comando e produção. A escrita de Eduardo Mahon, segundo Cristina Campos, surpreende, novamente, ao abranger ainda mais seu leque de publicações nas quais se aventura por gêneros distintos.

“Destacam-se a exploração criativa do insólito, do humor bizarro e da ironia fina e aguda pelos quais expõe as mazelas humanas. Agora, o autor estreia sua faceta dramatúrgica brindando-nos com um monólogo sobre a decadência de uma cidade provinciana através de um cidadão moribundo. Qualquer semelhança com pessoas ou situações retratadas não será mera coincidência”, revela a escritora.

Parte da equipe de “Progresso”

Já a direção geral e de vídeo é do cineasta e diretor Luiz Marchetti e a obra conta com as participações do ator e escritor Caio Ribeiro, na assistência de direção, e engenheiro e bonequeiro Douglas Peron, na montagem.

“Progresso me parece um trem fantasma desgovernado num parque de diversões chamado Cuiabá. Você e suas lembranças em flashes, num trilho/trailer de terror com pausas para o próximo susto. Ali você pode (e vai) até rir. Neste palco do Casarão Cuiabano a quarta parede é virada ao avesso, dali no cinema das memórias, com palavrões e preconceitos projetados, seu inconsciente passa a limpo em alta velocidade. Você com um remédio atrás do outro, você na janela, você sozinho, a cadeira de balanço sem você”, escreveu Marchetti.

Ivan Belém

Cena final de “Progresso”

Ivan Belém nasceu às margens do Rio Cuiabá, no município de Barão de Melgaço. Sua família mudou-se para Cuiabá com o bebê ainda recém-nascido e se fixou no bairro da Lixeira, onde vive até hoje, na mesma casa. Foi neste bairro durante a infância que conheceu o teatro, de forma improvisada no quintal dos vizinhos.

Na adolescência, entrou para o grupo de teatro do SESI, dirigido por Camilo Ramos dos Santos, e, mais tarde, fundou o Grupo Gambiarra, dedicando-se ao teatro infantil. Em sua segunda formação, o Gambiarra passou a ter uma orientação mais política e tornou-se o primeiro grupo de Teatro de rua de Mato Grosso.

O grupo se dissolveu e Ivan Belém passou a formar dupla com o ator Liu Arruda, numa parceria de dez anos, atuando em bares, quintais e outros espaços alternativos. Assim surgiram as primeiras comadres do teatro mato-grossense: Nhara e Creonice, interpretadas, respectivamente, por Liu e Ivan, inaugurando, assim, um gênero de comédia com identidade genuinamente cuiabana.

Com a morte de Liu Arruda, em 1999, Ivan retomou as funções acadêmicas na UFMT, como pesquisador. Graduado em História, fez mestrado e doutorado em Educação, resultando daí a publicação de dois livros: “A Baía de Tchá Mariana: Mitopoéticas Africana e Pantaneira nos círculos de aprendizagens ambientais” e “Liu Arruda: a Travessia de um Bufão”.

Paralelamente deu continuidade ao Grupo Gambiarra, agora com sua terceira formação, encenando peças de autores mato-grossenses. Além do teatro, atua também em circo, vídeo, rádio, TV e cinema.

O diretor Luiz Marchetti, a produtora Karine Mattos e o ator Ivan Balém

Ficha Técnica

Ator: Ivan Belém
Peça teatral e ideia original: Eduardo Mahon
Direção Geral, Roteiro e direção de Video: Luiz Marchetti
Assistente de Direção: Caio Ribeiro
Produção: Karine Mattos
Produção executiva: Jose Paulo traven
Cenografia: Douglas Peron
Figurino: Einstein Halking
Maquiagem: Deia Okamura
Sonoplastia: Ricardo Porto
Luz: Priscila Freitas
Edição de vídeo e colorista: Jessica Ribeiro
Fotografia: Heitor Magno
Cinegrafista: Jorge Queiroz e Luiz Marchetti
Arte: Carolina Argenta
Gravação em estúdio: José Curvo
Participações especiais: Maria Ribeiro, Lucia Palma, Carlinhos Ferreira, Wagton Douglas, Caio Ribeiro, Joyce Belem, Alessandra Barbosa, Justino Astrevo e o ator mirim Davi Luiz De Oliveira Moreira.

(Com assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTaques pode mudar orçamento de MT a pedido de Mauro Mendes
Próximo artigoMorre, aos 92 anos, a escritora Zibia Gasparetto

O LIVRE ADS