Irã vai importar gado vivo do Brasil; mercado tem potencial para adquirir 100 mil cabeças ao ano

Mercado iraniano tem potencial para adquirir anualmente 100 mil cabeças de bovinos do Brasil

Foto:(Ednilson Aguiar/ O Livre)

O Brasil vai passar a exportar gado vivo ao Irã após conquistar a aprovação do Certificado Zoossanitário Internacional (CZI) para esses embarques. O documento, atestando a aprovação, foi encaminhado nesta segunda-feira (22) pela Organização Veterinária do Irã ao Departamento de Saúde Animal (DSA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Esse é mais um importante mercado que deverá fomentar a pecuária do país que detém o segundo maior rebanho do mundo, ficando atrás apenas da Índia. Por ano, a estimativa no setor produtivo é de que o mercado iraniano tem potencial para adquirir anualmente 100 mil cabeças de bovinos do Brasil, com a perspectiva de expansão a médio prazo, na medida em que avancem as relações comerciais.

De 2010 a 2017, a exportação de gado vivo gerou US$ 3,7 bilhões em divisas para o país, sendo US$ 276 milhões só no último ano. Nos primeiros sete meses desse ano, os embarques já somavam US$ 301 milhões.

Novos Mercados

Segundo o diretor do DSA, Guilherme Marques, os próximos países que poderão comprar bovinos do Brasil são a Tailândia e a Indonésia. Para ele, os constantes acessos a novos mercados à exportação de gado brasileiro, impulsionaram a abertura do mercado iraniano. “A diversificação dos mercados é favorável aos produtores e pode propiciar a negociação de outras commodities”, lembrou.

Marques destacou que os sucessivos reconhecimentos sanitários obtidos nos últimos anos junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) foram essenciais para a conquista do mercado iraniano. Entre eles está o reconhecimento do Brasil como livre de febre aftosa com vacinação (Santa Catarina é livre sem vacinação) e de pleuropneumonia contagiosa, e de risco insignificante para o Mal da Vaca Louca (EBB).

Conforme Marques, as tratativas entre o Departamento de Saúde Animal e os iranianos vinham sendo mantidas desde final de 2014, tendo em vista que são consideradas “complexas”.

Ele lembrou ainda que a exportação de gado vivo é uma atividade praticada apenas por países que possuem rígido controle sanitário dos seus rebanhos, e representa canal de escoamento da produção para o produtor rural, conforme o diretor.

“A atividade contribui para a melhoria da rentabilidade do pecuarista, que consegue melhorar a sanidade dos seus animais, os protocolos nutricionais e a gestão da propriedade, gerando empregos e receita cambial”, disse.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLeonardo Campos protocola chapa para reeleição à presidência da OAB
Próximo artigoMarun elogia novo PS e reafirma compromisso de investir R$ 100 mi na obra