Investimento promissor: mercado imobiliário tem alta de 32,9% em Várzea Grande

Dados foram apresentados pelo Sicovi-MT e comparam os resultados de 2021 com 2020

(Foto: Suellen Pessetto/ O Livre)

Em 2021, o município de Várzea Grande obteve um faturamento de R$ 1.164 bilhão no mercado imobiliário, registrando um valor 32,96% superior em relação a 2020, quando foram transacionados R$ 780 milhões.

Os dados fazem parte do estudo de ‘Indicadores do Mercado Imobiliário’ do município produzido pelo Sindicato da Habitação de Mato Grosso (Secovi-MT) em parceria com a Secretaria de Fazenda do município e com o apoio da Fecomércio-MT.

Na tarde desta segunda-feira (16), o presidente do Secovi-MT, Marco Pessoz, entregou o documento ao prefeito de Várzea Grande, Kalil Baracat. “Ampliamos o estudo para o município devido a sua importância para o estado. As novas informações vão ajudar a traçar um perfil imobiliário da cidade, tornando mais assertivo os tipos de investimentos de imóveis a serem implantados na região. São dados que ajudarão no desenvolvimento do município, beneficiando tanto o setor público quanto o privado”.

De acordo com o estudo, os imóveis comercializados em Várzea Grande sobre todo o período de 2021, no comparativo com o ano anterior, também apresentou aumento, dessa vez de 15,06%. O número de unidades vendidas passou de 4.773 em 2020 para 5.619 no ano seguinte.

O valor do ticket médio de compra dos imóveis na região também registrou alta: saltou de R$ 163,4 mil em 2020 para R$ 207,1 mil no ano seguinte, um crescimento de 21,08% no ano.

Pessoz destacou o interesse em ampliar o levantamento das informações para os demais municípios-polos do estado. “Queremos realizar este mesmo levantamento de dados em Rondonópolis, Primavera do Leste, Sorriso e Sinop e, com isso, mostrar o potencial imobiliário das principais regiões mato-grossenses. Para isso, precisamos estreitar os laços com órgãos públicos para o fornecimento dessas informações”.

O responsável técnico pela pesquisa e vice-presidente do Secovi-MT, Guido Grando Junior, reforçou que a expansão dos dados para outros municípios será uma oportunidade gratuita de depuração e correção dos dados cadastrais para os gestores locais. “Ciente destes benefícios, os administradores públicos poderão compreender melhor o panorama do mercado imobiliário da sua cidade e de todo estado”.

Para realizar o estudo em Várzea Grande foram utilizados dados do ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis) da Secretaria de Fazenda do município.

(Informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

1 COMENTÁRIO

  1. Esses órgãos públicos e sindicais sediados em Cuiabá ou região metropolitana, acham que interiorizar programas é ir para Jangada ou Santo Antônio do Leverger. É risível o quanto são desconectados com o “Interior” do estado que julgam, ou fingem, representar. Se a Capital cresce a 5%, o Interior cresce a 12%, já era um levantamento para estar na mão deles há pelo menos uma década, enfim, segue o baile

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMauro Mendes diz que não há dinheiro para compensar reservas “a torto e a direito”
Próximo artigoUso do cartão de crédito para o pagamento de contas cresce 42%