Intimação por WhatsApp: evolução é inevitável, mas juristas pedem cautela

Medida é regulamentada pelo CNJ desde 2017; mais de 10 Tribunais de Justiça já a utilizam

Foto: Divulgação/WhatsApp

Aliando os princípios da celeridade e informalidade, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) regulamentou as intimações por meio do aplicativo WhatsApp. Para os presidentes do Instituto dos Advogados Mato-grossenses (Iamat) e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT), os advogados Fábio Capilé e Leonardo Campos, respectivamente, a novidade é válida, mas é preciso cautela.

Segundo a portaria de regulamentação, o serviço vai estar disponível para ações que tramitam nos Juizados Especiais Cíveis, Criminais, da Fazenda Pública e da Turma Recursal Única. Para tanto, é preciso que haja adesão voluntária, ou seja, as partes devem formalizar um pedido para serem incluídas no serviço.

Apesar de ser novidade em Mato Grosso, o recurso não é novo: desde junho de 2017 o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) prevê a utilização do aplicativo para as intimações. Desde então, pelo menos 12 tribunais adotaram a medida.

Agilidade e economia

Presidente da OAB-MT, Leonardo Campos avalia a medida como positiva e acredita que sua implantação pode contribuir com a agilidade do processo. Segundo ele, a OAB participou de algumas discussões sobre a regulamentação e defendeu a não obrigatoriedade das intimações por WhatsApp, ou seja, adere quem quiser.

Da mesma forma, o presidente do Iamat, Fábio Capilé, destacou que a novidade combina com os juizados e segue tendência da sociedade, visto que, “a evolução das tecnologias é inevitável”. Frisou ainda a economia que poderá ser gerada em razão das intimações de forma eletrônica.

Pela portaria, citações, decisões, sentenças e despachos em geral passarão a ser encaminhados para o número cadastrado pela parte junto ao Juizado. Um servidor responsável vai encaminhar uma imagem do pronunciamento, com a identificação do processo e dos envolvidos.

Caso a mensagem enviada não seja recebida pelo aparelho em até três dias, a intimação eletrônica perderá serventia e será feita por outros meios de comunicação, segundo a regulamentação.

Cautela

Para Capilé, causa preocupação a adesão à novidade pelas partes que não têm grau de instrução avançado. “Tem que ser feito um esclarecimento sobre as consequências dessa adesão. A pessoa precisa sair dali ciente sobre como vai funcionar e da necessidade de se cumprir os prazos”, observou.

A ponderação tem uma razão: conforme a portaria, a intimação será considerada realizada no momento em que o aplicativo apontar que a mensagem foi entregue ao dispositivo, ou seja, independentemente de o destinatário ter aberto seu conteúdo ou não.

[featured_paragraph]“É natural se esquecer. Então, se a pessoa é intimada, pensa: ‘vou avisar ao advogado depois’ e esse depois não chega. Pronto, já perdeu o prazo. Por isso, os advogados costumam determinar que as intimações sejam feitas em nome de uma pessoa específica, para centralizar as informações”, observou.[/featured_paragraph]

O presidente da OAB, porém, acredita que o caso não deve ser motivo de tanta preocupação, considerando que os optantes pelo serviço deverão ser informados sobre o que estão autorizando no momento em que assinam.

“A partir de recebidas as orientações, essa parte tem que ficar atenta ao seu telefone. E não é uma orientação geral, ela é por processo. Se a parte tem oito processos, em cada um ela tem que assinar um termo de autorização”, disse.

Campos ainda lembrou que a medida passa a funcionar em fase de teste, sendo que apenas será possível prever o resultado da implantação.

Ampliação

Os dois advogados ainda concordam que a regulamentação não deve ser ampliada para outras esferas da justiça comum, por não comportarem o princípio da informalidade.

Enquanto Campos acredita que seria necessário uma mudança de lei para que os meios como Whatsapp passem a ser válidos, Capilé destaca que novas tecnologias já possibilitariam a ampliação da medida, ainda em um futuro próximo.

“Se fosse para a justiça comum [da forma como é hoje] traria prejuízo e causaria a nulidade de processos, por causa da ampla defesa”, ponderou o presidente do Iamat. Para ele, uma solução primária poderia ser a implantação de uma certificação digital capaz de comprovar o recebimento da intimação.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVLT na pauta do Senado
Próximo artigoJovem muda é estuprada e socorrida por mulher que a viu batendo no suspeito

O LIVRE ADS