Interação de consumidores com programas de fidelidade cresce 35,4% em 2021

Quantidade de pontos/milhas emitidos no período também foi maior do que ano anterior, superando, inclusive, 2019

(Foto: Alexandr Podvalny / Pexels)

O ano de 2021 terminou em crescimento e retorno aos níveis pré-pandemia para o mercado de fidelização. Foi o que constatou a ABEMF (Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização) com seus indicadores referentes ao último trimestre do ano.

A soma anual das emissões e resgates de pontos/milhas, que mede o grau de interação dos clientes com os programas, chegou a 22.4 milhões de transações, representando um crescimento de 35,4% sobre 2020 e 9% diante de 2019.

Esse indicador teve um aumento também na comparação do 4T21 com os mesmos períodos de anos anteriores, 19,2% contra o 4T20 e 17,1% acima do 4T19.
Já o montante de pontos/milhas emitidos, ou seja, aqueles que os consumidores acumularam no último tri, chegou a 97,1 bilhões, um aumento de 42,7% na comparação com o mesmo período de 2020. No ano, o crescimento foi de 32,9% sobre 2020 e 2,1% na comparação com 2019.

Quando se trata do número de pontos/milhas resgatados, aqueles que os clientes trocaram por benefícios, o quarto tri de 2021 alcançou a marca de 83,5 bilhões. Se comparado ao 4T20, o crescimento foi de 59,7%, e na comparação anual, o aumento foi de 54,2%. Frente ao período anterior à pandemia do coronavírus, em 2019, a alta foi de 1,1%.

(Foto: Ednilson Aguiar/ O Livre

“Até em relação ao faturamento bruto das companhias associadas à ABEMF os números mostram que a curva crescente do setor se concretizou. No 4T21, o valor foi de R$ 1,9 bilhão, sobre o mesmo período de 2020 vemos um aumento de 24,8%, e na comparação com o 4T19, continuamos nos dois dígitos, com crescimento de 10,2%. No ano de 2021, houve alta de 13,2%”, explica o presidente da associação, Emerson Moreira.

Outro indicador que teve aumento foi o número de cadastros nos programas de fidelidade, que chegou ao fim de 2021 registrando 180,5 milhões, 11,7% a mais do que no mesmo período de 2020. Lembrando que estes não são registros únicos, pois um participante pode ter cadastro em mais de um programa.

A ABEMF também afere a origem dos pontos/milhas emitidos, indicador que não apresentou variação significativa. 4,8% deles foram provenientes de passagens aéreas e 95,2% do Varejo, Indústria e Serviços. Quanto ao destino desses pontos/milhas, fatores como a retomada do Turismo, principalmente, por se tratar de um período de férias de fim de ano, mostraram efeitos.

As passagens aéreas corresponderam a 82,5% do saldo resgatado no quarto tri do ano, e 17,5% dos participantes optaram pela troca por produtos como itens para casa, descontos, cashback, serviços e outras vantagens. “Desta forma, os números ficaram em patamares muito semelhantes aos vistos antes da pandemia”, explica Emerson Moreira.

Já a taxa de breakage que mede o percentual de pontos/milhas que venceram no período, ficou em 15,6%, seguindo a média dos resultados anteriores. Importante ressaltar que o percentual não é calculado em cima dos pontos/milhas emitidos no trimestre, mas sim numa média dos últimos 12 meses.

(Com informações da Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAutor de feminicídio praticado em Colniza é preso em Várzea Grande
Próximo artigoMato Grosso tem indicação de R$ 625 milhões em emendas do relator