Inspetor é investigado por manter relações sexuais na frente de alunos

Relatos dão conta que em um dos flagras, uma criança de quatro anos estaria no banco traseiro do carro onde estava o inspetor

Foto: Reprodução/Google

O promotor de Justiça Miguel Slhessarenko Júnior, do Ministério Público de Mato Grosso (MPE), determinou uma investigação contra um inspetor de pátio que, além de agredir um aluno, teria mantido relações sexuais na frente das crianças, na Escola Estadual Presidente Médici, em Cuiabá

O documento foi assinado no dia 19 de junho, em razão de diversas reclamações feitas à ouvidoria do MPE, noticiando “graves irregularidades pedagógicas e administrativas”.

Segundo o MPE, houve relatos de que o inspetor era uma pessoa agressiva com os alunos, e, em 2018, teria agredido um estudante. Apesar disso, sua “falha” mais recorrente seria manter relação sexual perto dos alunos.

Consta que, constantemente, ele era visto fazendo sexo com uma mulher, dentro de um carro estacionado na porta da escola, no horário de trabalho. A ex-gestora da escola já teria presenciado um desses momentos, quando, inclusive, uma criança de quatro anos estaria no banco traseiro. No entanto, nenhuma providência foi tomada.

Este mesmo servidor também estaria espalhando pornografia pela escola, mostrando fotos de mulheres nuas para funcionários e alunos. Mais uma vez, a diretora teria sido omissa.

Segundo o órgão, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) abriu um Procedimento Administrativo Disciplinar para apurar os fatos denunciados, mas ainda não concluiu as apurações. Nesse meio tempo, de cerca de seis meses, o inspetor continuou no quadro de funcionários da escola, na função de “manutenção de infraestrutura”.

O promotor lembra que a Constituição Federal determina que não apenas se oferte a educação, mas que o serviço seja de qualidade. Por isso, o MPE decidiu acompanhar a sindicância da Seduc, para garantir que um resultado seja alcançado.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolsonaro revoga decreto de armas e publica novas regras
Próximo artigoCNJ estabelece regras para reduzir encarceramento de indígenas

O LIVRE ADS