Inocente que passou 6 anos preso dará nome a ala de cadeia em MT

Nova ala na Cadeia Pública de Mirassol D'Oeste leva nome de Leandro Soares, acusado por latrocínio que não cometeu

Inauguração da nova ala na Cadeia Pública de Mirassol D'Oeste. (Foto: Divulgação / Sesp-MT)

A Cadeia Pública de Mirassol D’Oeste (284 km de Cuiabá) ganhou uma nova ala, onde funcionará uma fábrica de bloquetes e manilhas. A inauguração aconteceu nesta quarta-feira (24).

O novo espaço tem o nome de Leandro Soares, um trabalhador que ficou preso por 6 anos por um crime que não cometeu. A absolvição veio no mês passado.

A proposta é que a ala promova aos reeducandos uma qualificação profissional, a fim de evitar a reincidência no crime.

“Temos índices extraoficiais de que a cada 100 recuperandos que voltam para a sociedade, 80 reincidem no crime. O recuperando cumpre sua pena, sai da unidade e muitas vezes não consegue uma oportunidade de trabalho, voltando a praticar crimes. O que nós queremos é oferecer qualificação profissional e trabalho dentro da unidade, para que quando saia, tenha não só um dinheiro guardado, mas a experiência necessária para conseguir um serviço lá fora e viver sua vida de forma digna”, disse o secretário adjunto de Administração Penitenciária, Jean Gonçalves.

O homenageado

Leandro, ao lado da placa, acompanhado das advogadas Daiane Rodrigues Gomes Coelho e Jacqueline Oliveira Mesquita, além da juíza Sabrina Andrade Galdino Rodrigues e do defensor público Guilherme Rigon (Foto: Divulgação / Nilton Silva)

Leandro foi acusado de participar de um latrocínio em Mirassol, em 19 de janeiro de 2015.

Nesse dia, conforme o processo, dois suspeitos, usando capacetes de cor preta, entraram em uma casa. Armados com uma pistola 9 milímetros e uma bereta 22, os bandidos anunciaram o assalto a pai e filho.

Lauro Lazzaretti reagiu e acabou ferido por um dos criminosos e não resistiu aos ferimentos. Depois do crime, a dupla fugiu sem levar nada.

Uma testemunha alegou que viu Leandro conversando com outro suspeito. Porém, o rapaz estava trabalhando na hora do crime. Ainda assim, acabou preso, julgado e condenado.

No mês passado, foi feita a revisão criminal do processo de Leandro e resultou em sua absolvição.

LEIA TAMBÉM

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorO meio ambiento do trabalho e sua proteção
Próximo artigoEnergia elétrica: especialistas descartam racionamento, mas cobram consumo eficiente