Iniciativa privada: testes para covid aplicados por empresas ajudam a controlar pandemia

Enquanto poder público "patina", só uma mineradora vai testar 10% da população de uma cidade inteira em MT

Imagem Ilustrativa (Foto: Assessoria Nexa)

A iniciativa de empresas privadas – por vezes “estimuladas” pela Justiça do Trabalho – de aplicar testes para covid-19 em seus funcionários pode contribuir para o controle da pandemia em Mato Grosso, enquanto autoridades públicas não decidem adotar essa estratégia defendida por inúmeros especialistas.

Só a mineradora Nexa, por exemplo, pode tornar Aripuanã – cidade localizada a 1,2 mil quilômetros de Cuiabá – um dos territórios com maior percentual de testagem no Brasil.

É que de acordo com a Our World In Data, publicação especializada em expor pesquisas e dados analíticos sobre mudanças nas condições de qualidade de vida ao redor do mundo, até início de junho, a média de testagem para covid-19 no Brasil foi de 2,28 pessoas para cada grupo de mil habitantes.

Considerando a projeção atual de 22 mil residentes em Aripuanã, a Nexa sozinha deve aplicar testes em 91 pessoas para cada grupo de mil. Uma média bastante superior à nacional.

LEIA TAMBÉM

Atualmente, mais de 1,8 mil profissionais compõem a mão de obra que ergue o principal empreendimento da Nexa em Mato Grosso.

Com todos eles testados para a covid-19, a empresa colabora, por exemplo, para a detecção de casos assintomáticos da doença. Uma ação que possibilita o isolamento social não só do funcionário eventualmente diagnosticado, mas de todos que tenham tido contato com ele.

“Na prática, vamos testar periodicamente cerca de 10% dos atuais residentes de Aripuanã. Seguiremos com os testes rápidos durante três meses, quando reavaliaremos a necessidade de continuarmos com a estratégia”, diz Rodrigo Fonseca, gerente geral de Mineração do Projeto Aripuanã.

A testagem em massa foi devidamente pactuada com as autoridades, dentre elas, o Ministério Público do Trabalho (MPT), Ministério Público Estadual (MPE), Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), Vigilância Sanitária e a Prefeitura de Aripuanã.

Frigorífico

Imagem Ilustrativa (Foto: Reprodução)

Por meio de um acordo com Ministério Público do Trabalho, a Marfrig também deve fazer testes de covid-19 em 100% de seus colaboradores. Ao todo, são 18 mil funcionários em todo o Brasil.

A empresa, que processa carne bovina, tem quatro plantas em Mato Grosso e, em uma delas, – localizada em Várzea Grande – cerca de 25 trabalhadores tiveram a doença. Uma pessoa morreu vítima do novo coronavírus.

No município, localizado na região metropolitana de Cuiabá, três mil funcionários do frigorífico já passaram pelos testes.

A testagem dos colaboradores da Marfrig que atuam nas demais 11 unidades localizadas no Brasil, seguirá um cronograma pré-estabelecido pela empresa.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorE as eleições municipais?
Próximo artigoAulas virtuais na UFMT