Indústria máquinas e equipamentos cresceu 7,7% neste ano, diz Abimaq

Os dados foram divulgados hoje (27) pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos

(Foto: Isac Nóbrega/PR)

Puxada pelo bom desempenho das exportações, a indústria de máquinas e equipamentos encerrarou outubro com um faturamento de R$ 65,1 bilhões no acumulado do ano, o que significa um crescimento de 7,7% sobre os dez primeiros meses de 2017 e uma alta de 14,4% sobre igual mês do ano passado. Na comparação com setembro último, houve expansão de 1,9%.

Os dados foram divulgados hoje (27) pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). A entidade destaca que o resultado foi puxado pelas exportações, com elevação de 10,3% com US$ 8,1 bilhões. Só em outubro, foram adicionados US$ 96 milhões ou 29,1% mais do que no mês anterior. Entre os itens mais vendidos ao exterior estão componentes como válvulas e bombas.

De acordo com a Abimaq, em razão da crise econômica da Argentina, os negócios no Mercosul recuaram 11,9%, enquanto para aos Estados Unidos as vendas aumentaram 28,8% e para a Europa 44,6%. No mercado interno, as vendas caíram 0,7% , no acumulado do ano, mas foram 13,2% superiores a outubro de 2017.

Apesar do bom desempenho estar associado ao câmbio favorável e à demanda externa, o presidente da Abimaq, João Carlos Marchesan, está otimista com o resultado e acredita em uma reação do mercado doméstico no próximo ano. “Estamos vivendo um momento de recuperação e temos a perspectiva de que o Brasil volte e a crescer e atinja uma alta entre 2,5% a 3% no Produto Interno Bruto (PIB)”, avalia.

Diálogo

O dirigente informou ter saído esperançoso da conversa de mais de duas horas ontem (26) com o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, da equipe do presidente eleito, Jair Bolsonaro . “Ele [Paulo Guedes] manifestou interesse em manter diálogo constante com a indústria, prevendo a volta de um crescimento de 5% ao ano e nós construímos uma ponte para isso”, afirmou Marchesan.

Ele também revelou que pretende pedir ao governo federal que conceda uma suplementação de R$ 3 bilhões à linha de financiamento para compra de máquinas agrícolas, pois o montante previsto por meio do Moderfrota teve se encerrar em fevereiro do próximo ano.

Importação

Ainda segundo os dados da Abimaq, em outubro o consumo de máquinas e equipamentos importados aumentou 23,4% sobre setembro último e 23% na comparação a outubro do ano passado e grande maioria foi comprada da China (18,5%) e Estados Unidos que eram os líderes entre os fornecedores com 22% passaram a representar 17% das importações.Na terceira posição está a Alemanha (15,8%). No acumulado do ano, as importações atingiram US$ 12,3 bilhões ou 16,4% acima de 2017.

A base de empregados no setor atingiu em outubro 302,6 mil pessoas com alta de 0,3% entre setembro e outubro e 4,2% superior a outubro do ano passado. Ao longo do ano, foram abertas 13,5 mil vagas.

Indústria eletrônica

Um levantamento divulgado hoje pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) mostrou o crescimento na confiança dos empresários do setor, com um salto no indicador de 53,8 pontos no mês de outubro para 65,2 pontos atuais. De acordo com a Abinee, o indicador atingiu o maior patamar dos últimos oito anos.

Para a Abinee, o resultado positivo demonstra uma clara melhora nos ânimos dos empresários no setor e uma alta confiança para de que o ano terminará de forma positiva, apesar das oscilações ocorridas em 2018, principalmente no primeiro semestre.

O Índice varia de 0 a 100 pontos, sendo que valores acima de 50 pontos indicam confiança do empresário industrial e abaixo de 50 pontos mostram falta de confiança.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFinal do Campeonato Estadual de Tiro reúne mais de 350 atletas em Sorriso no sábado
Próximo artigoAids: casos e óbitos caem 16% nos últimos quatro anos no Brasil

O LIVRE ADS