Indígena faz a própria esposa de refém e acaba morto pela polícia

Policiais foram até a casa do indígena para cumprir mandados de prisão por tráfico de drogas, homicídio, estupro, roubo, violência doméstica e receptação

(Foto: reprodução)

Policiais de Mato Grosso e do Tocantins realizaram uma operação na aldeia Santa Isabel, na Ilha do Bananal, na cidade de Lagoa da Confusão (TO), nessa quinta-feira (16), em que um indígena identificado como Lourenço Rosemar Filho de Mello acabou morto após fazer sua própria esposa refém para tentar evitar sua prisão.

Segundo informações do G1 de Tocantins, a operação tinha a intenção de cumprir mandados de prisão contra Lourenço por tráfico de drogas, homicídio, estupro, roubo, violência doméstica e receptação.

Ao ser informado sobre a chegada dos policiais dos dois Estados, porém, o indígena saiu de casa com uma arma apontada para a cabeça da própria esposa.

Os policiais, então, tentaram negociar a soltura da refém, mas Lourenço não se rendia.

“Durante a ação o sujeito ficou cada vez mais agressivo e continuou com arma apontada para a cabeça da refém. Para resguardar a vida da vítima, e diante da não rendição do suspeito, foi necessário efetuar disparos”, informou a Secretaria de Segurança Pública (SSP) ao G1TO.

Depois de ser baleado, o indígena foi colocado na carroceria de um veículo da polícia (a cena foi gravada em vídeo – veja abaixo).

A Polícia afirmou ao G1 que ele foi encaminhado para um hospital de São Félix do Araguaia (1.155 km de Cuiabá), mas não resistiu aos ferimentos e morreu. Um familiar do indígena, no entanto, afirma que ele já foi colocado no carro da polícia sem vida.

A Polícia Civil informou, ainda, que apreendeu com Lourenço uma pistola calibre 38 e um carregador de balas extra. Além disso, teria sido encontrado R$ 9 mil em espécie nos bolsos do indígena. Todo material foi levado para São Félix do Araguaia.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMPMT quer criar mais 80 cargos comissionados vinculados à Procuradoria Geral
Próximo artigoJoão Dória em Cuiabá