Índices de criminalidade têm redução durante quarentena, afirma governo

Casos de homicídio doloso, por exemplo, diminuíram 20%, aponta levantamento feito pela Sesp-MT

No período de quarentena, os índices de criminalidade em Mato Grosso apresentaram, segundo o governo. O período compreende os dias entre 10 de março de 26 de abril. A informação é do Observatório de Violência da Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp-MT), que computou os dados.

Dentre os principais crimes, por exemplo, os casos de homicídio doloso diminuíram 20%. Em 2020, foram registrados 92 casos, contra 115 no ano anterior.

Roubos e furtos também apresentaram -42,6% e -47,5% registros, respectivamente. Foram constatados 1.031 roubos este ano, contra 1.797 em 2019. Neste ano, 3.312 casos de furtos foram notificados e 6.310 no anterior.

O crime de latrocínio (roubo seguido de morte) caiu pela metade, sendo 5 registros em 2020, contra 10 em 2019.

O levantamento contempla ocorrências como as de lesão corporal, com -31,9% de casos (1.776 este ano e 2.608 no ano passado) e o tráfico e uso de drogas, que foi responsável por 772 registros em 2020 e 1.122 em 2019, ou seja, redução de 31,2%.

Vítimas femininas

Ainda levando em conta o período de quarentena, o Observatório da Sesp-MT elaborou novo levantamento das ocorrências envolvendo vítimas femininas de 18 a 59 anos de idade em Mato Grosso.

No período entre 10 de março e 19 de abril de 2020 foram registrados 3.553 casos de várias naturezas, enquanto no mesmo período de 2019 foram 5.540, ou seja, redução de 36%.

O aumento foi registrado em poucas naturezas criminais, como é o caso do estupro. Foram registrados 42 casos este ano, contra 40 no ano anterior, o que representa 5% a mais.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHospitais e clínicas particulares enfrentam crise por falta de pacientes
Próximo artigoSite continua fora do ar, mas Energisa já restabelece serviços