Incômodo eleitoral

Impossibilitado de fazer contratações, governo de Mato Grosso foi processado por mulheres grávidas que ficaram sem licença maternidade

(Foto: Freepik)

O período das eleições – e a impossibilidade do governo em firmar contratos ao longo dele – causou incômodos para uma mãe com a filha recém-nascida, a secretária de Estado de Educação, Marioneide Kliemaschewsk, e a Defensoria Pública de Mato Grosso.

Marioneide não conseguiu renovar o contrato com a mulher, que atuou como técnica administrativa em uma escola estadual em Cáceres (220 km de Cuiabá). Por conta disso, a servidora não conseguiu dar entrada em sua licença maternidade.

Sem renda e com a filha recém-nascida, ela procurou a Defensoria e o defensor público Saulo Castrillon ingressou com uma ação contra o Estado. Pediu que o cargo fosse reestabelecido ou, ao menos, que se pagasse uma indenização.

E esse não é o único processo motivado pelo período eleitoral. Uma professora, que também atuou em Cáceres, também não conseguiu a licença maternidade.

No caso dela, há ainda o agravante de ter perdido o bebê – que tinha má formação.

A professora, a juíza Hanae Oliveira determinou que seja reintegrada ao cargo ou indenizada em R$ 10 mil. À técnica administrativa, a própria secretária de Educação antecipou que pagará uma indenização equivalente à data de sua exoneração.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorProposta ou propaganda? Questões ambientais “dominaram” planos de governo dos candidatos
Próximo artigoOnda de calor: 35 idosos morrem em cidade de MT