Incêndios: sistema elétrico é o principal causador; saiba como evitar

Você sabia que precisa trocar a fiação a cada 20 anos? Professor explica como não negligenciar as instalações

Manutenção periódica pode evitar acidentes com eletricidade, entre eles curto-circuito Foto: CBM

Entre as principais causas de incêndio a residências e estabelecimentos comerciais estão as falhas no sistema elétrico. A avaliação é do Corpo de Bombeiros e leva em consideração as 259 ocorrências atendidas em Cuiabá e Várzea Grande no ano passado.

Na última semana, uma loja de utilidades foi totalmente destruída pelas chamas no bairro 1º de Março, em Cuiabá.

Nesse caso, os motivos do incêndio serão identificados pela perícia. Mas o fato é que a tragédia só não foi maior porque os bombeiros conseguiram controlar o fogo antes dele atingir uma academia e outro estabelecimento localizado ao lado.

Mas, a pergunta é: o que fazer para evitar problemas?

Professor e coordenador do curso de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Danilo Ferreira de Souza afirma que os proprietários geralmente deixam de lado o projeto elétrico nas construções. Também não fazem a manutenção periódica ou executam ampliações sem considerar a adequação do sistema elétrico da casa, gerando sobrecarga.

Todas situações acima aumentam o risco de incêndio e até mesmo danos físicos, que podem resultar em morte.

Dados do Anuário Estatístico da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel), mostram que entre os casos de acidentes envolvendo eletricidade, 3% são causados por raio, 59% foram causados por choques elétricos e 38% por sobrecarga ou curto-circuito.

O professor explica que as pessoas devem se preocupar em ter um projeto elétrico feito por uma pessoa qualificada. Assim, pode-se ter certeza sobre o atendimento das normas técnicas, entre elas, as que estabelecem a possibilidade de “sensível” aumento da capacidade caso seja necessário.

Com o projeto pronto e executado, o cidadão não pode deixar de adequá-lo em caso de ampliação ou mudança da finalidade do espaço.

Também está incluída na lista de prevenções, fazer a troca do sistema de distribuição a cada 20 anos. Depois disso, há o envelhecimento dos fios, o que pode causar curto-circuito e aquecimentos.

Outra medida importante é contratar um profissional para fazer uma inspeção visual a cada 2 anos. “O profissional treinado tem condições de identificar a maior parte dos problemas a olho nu”.

De acordo com Souza, os incêndios costumam ser fruto do superaquecimento dos fios, que derretem, porém não propagam chama. O fogo é alimentado por materiais combustíveis que ficam no entorno.

LEIA TAMBÉM

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNovos modelos de facequíni chegam às praias chinesas
Próximo artigoMudança improvável

O LIVRE ADS