Incêndio em hospital no Rio de Janeiro resulta em morte

O fogo começou com um curto circuito no prédio mais antigo do complexo hospitalar

Um incêndio de grandes proporções atingiu na noite desta quinta-feira (12) o Hospital Badim, da Rede d’Or, localizado no bairro do Maracanã, zona Norte do Rio de Janeiro. O fogo começou com um curto circuito no Prédio 1 do hospital, o mais antigo do complexo.

A fumaça se espalhou por todos os andares e os pacientes do Centro de Tratamento Intensivo (CTI) precisaram ser removidos, recebendo os primeiros atendimentos na rua.

Segundo a assessoria do Corpo de Bombeiros do Rio, após de mais de quatro horas de trabalho, o fogo foi controlado. Equipes de quatro quartéis, com apoio de dois grupamento – de Busca e Salvamento e de Suprimento de Água -, atuaram no combate às chamas.

O fogo começou por volta das 18h30 e foi controlado por volta das 22 horas. Na manhã desta sexta-feira (13), a corporação realiza uma varredura na unidade e faz a operação de resfriamento e limpeza no prédio.

Os bombeiros confirmaram uma morte, mas não informaram se a vítima é homem ou mulher. Dez ambulâncias atuaram na remoção dos pacientes. Outras ainda podem ser realizadas, de acordo com avaliação médica caso a caso.

A investigação das causas do incêndio ficarão a cargo da perícia técnica da Polícia Civil.

Em nota, o Hospital Badim disse que possui Certificado de Aprovação do Corpo de Bombeiros e que cabe aos responsáveis legais pelas edificações a manutenção dos dispositivos de segurança contra incêndio e pânico aprovados no projeto.

Ao todo, o hospital tinha 103 pacientes internados. A maioria deles foi transferida para outros hospitais das redes pública e particular de saúde.

(Com informações da Agência Brasil)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAna Rafaela relança Cantos e prepara “Despertar”, prestes a ser lançado
Próximo artigoGreve dos Correios: 70% dos funcionários terão que manter atividades