Inadimplência cresce em MT, mas ainda é possível comemorar. Entenda

Se comparado aos dados de 2020, o número de endividados ainda está caindo no Estado

(Foto: Pixabay)

Após meses de quedas consecutivas, a inadimplência do consumidor mato-grossense cresceu em janeiro, segundo pesquisa divulgada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Na passagem de dezembro/2020 para janeiro/2021, o número de devedores de Mato Grosso subiu 0,41%. Na região Centro Oeste, na mesma base de comparação, a variação foi de 1,03%.

Se comparado com o mesmo período de 2020, entretanto, os dados ainda são animadores. O número de inadimplentes de Mato Grosso caiu 2,38% em janeiro de 2021. Uma queda acima da média da região Centro Oeste (‐2,77%) e acima da média nacional (‐5,22%).

Com isso, a estimativa é que o Estado tenha fechado janeiro com, aproximadamente, um milhão de consumidores inscritos em cadastros de devedores.

Para quem se deve mais?

Segundo a pesquisa, o setor com participação mais expressiva do número de dívidas em janeiro foi o de bancos. Entre os mato-grossenses, 31,5% do total das dívidas são nesse setor. Em seguida aparece o comércio, com 31,47%. O ranking é fechado com débitos junto às companhias de água e luz, que somam 15,73% dos endividados.

Em janeiro de 2021, cada consumidor inadimplente tinha em média 1,9 dívidas em atraso.

No entanto, as pessoas inadimplentes contam com aliados que estão dispostos a ajudar na renegociação: os Cartórios de Protesto. Em Mato Grosso, o Instituto de Estudos de Protesto de Títulos do Brasil Seção Mato Grosso (IEPTB-MT), entidade que representa os 80 Cartórios de Protesto, oferece à população a oportunidade de parcelar os débitos.

LEIA TAMBÉM

“Oferecemos uma ferramenta online que permite à pessoa selecionar a empresa credora e, em seguida, escolher a forma de pagamento. Após finalizar o preenchimento do formulário, o Instituto recebe o documento e, como um intermediador, entra em contato com a empresa para iniciar a negociação. Se a empresa aceitar a proposta, o próprio Instituto formalizará os pagamentos”, explica a presidente do IEPTB-MT, Niuara Ribeiro Roberto Borges.

Ela acrescentou que, se a pessoa inadimplente preferir, pode comparecer diretamente ao Cartório de Protesto do município onde mora e solicitar o serviço de renegociação.

“Sabemos que a pandemia do coronavírus afetou toda a população, mas esse serviço disponibilizado pelo Instituto e pelos Cartórios de Protesto não deixa de ser uma ótima oportunidade para as pessoas quitarem suas dívidas. Afinal, ela própria faz sua proposta de pagamento”, exaltou Niuara Ribeiro.

(Com Assessoria)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAgulhas e seringas ao STF
Próximo artigoCovid-19 atinge testículos