Impresso ou digital? Modernidade não tira a fé de quem quer ou alcançou uma graça

Correntes e promessas continuam vivas também nas formas mais tradicionais em Cuiabá. Aqui, a história de Maria

Em tempos de WhatsApp, Maria – nome fictício – procurou um jornal impresso para divulgar uma oração que acredita ser poderosa. Contrariando toda a modernidade da era digital, ela resolveu atender o que estava escrito no papel ao pé da letra, “publicar 3 dias seguido em um jornal”.

O pedido é direcionado à Nossa Senhora Aparecida, a padroeira do Brasil. A santa são atribuídos vários milagres e alguns muito marcantes como o do escravo Zacarias.

Segundo relatos da época em que o país era colônia, ele estava algemado e sendo puxado por um capataz. Quando passou em frente a igreja, pediu para orar por Nossa Senhora e as correntes se abriram, o deixando livre.

E ainda existem os inúmeros casos de cura de doenças, solução de problemas familiares e financeiros. Todos atribuídos à santa.

Conforme Maria, basta ter fé para ser atendido. E ela tem tanta convicção do seu sentimento, que vai publicar a oração antes mesmo de ter a graça atendida.

“Estou passando um momento difícil e tenho certeza que ela irá me ajudar”, relata.

Mesmo não se considerando católica e, sim, espiritualista, Maria diz ter acompanhado durante a vida vários testemunhos de graças e fez a sua primeira “corrente” foi repassada quando ainda era criança.

Na ocasião, recebeu uma carta escrita à mão que passava a oração e pedia que fizesse o mesmo para um determinado número de pessoas. Então, a menina pegou o caderno e começou a escrever. Depois, contou com os pais para fazer a distribuição.

“Eu sei que tem muita gente que coloca na internet. Mas eu vou seguir o que está escrito. Se é impresso, divulgarei impresso”, afirma.

O Jornal

A vendedora de espaços publicitários no Jornal A Gazeta, Abadia Silva Moraes, conta que, antigamente, a procura era grande por quem queria publicar orações. A Nossa Senhora Desatadora dos Nós era a mais popular entre os clientes.

Muitos tinham história de superação à doença, crise financeira ou conflitos familiares.

Abadia atua há 35 anos no mercado e percebeu a gradual mudança de interesse das pessoas. Sem saber definir se é falta de fé ou o uso do meios digitais, ela lamenta a mudança de comportamento.

Além das orações, pedidos e publicações de graças, também era comum a publicação de missas de 7º dia e até mesmo comemorativas. Mas, nesses casos, a ação ficava mais por conta das famílias tradicionais de Cuiabá.

Nossa Senhora Desatadora de Nós

A pintura do artista alemão Johann Schimidtner, de 1.700, marca o primeiro aparecimento de Nossa Senhora Desatadora de Nós. Na interpretação da obra, um anjo dá para Nossa Senhora um cordão com vários nós.

Eles seriam de tamanhos diversos e também rigidez diferentes.

Então, ela desmancharia os nós, que representam nossos problemas, erros e defeitos. E, ao final, os anjos levariam apenas o fio liso, como se as pessoas estivessem livres de todo o mal.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMortes por covid-19 sobem para 30 em MT; Cuiabá tem o maior número
Próximo artigoHomem chega bêbado em casa e atropela a esposa ao tentar estacionar

O LIVRE ADS