IMAmt participa do II Seminário Mato-grossense sobre Manejo da Resistência

Evento terá carga horária de 16h e é voltado para consultores técnicos, agricultores e profissionais de empresas de agroquímicos

Foto: Assessoria

Nos dias 23 e 24 de julho ocorre em Cuiabá (MT) o II Seminário Mato-grossense de Manejo da Resistência. O evento é organizado pela Embrapa e conta com a parceria com o Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) e a Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso (Fundação MT). Voltado para consultores técnicos, agricultores e profissionais de empresas de agroquímicos o evento tem carga horária de 16h e tem como objetivo divulgar resultados de monitoramento da suscetibilidade de pragas, doenças e plantas daninhas aos produtos fitossanitários, bem como discutir problemas de resistência e boas práticas nos tratos culturais.

O seminário será realizado na sede do Sistema Famato. Durante os dois dias de evento os seminaristas terão a oportunidade de participar de diversos debates e discussões.

Parceiro do seminário, o IMAmt estará presente com os pesquisadores Edson R. de Andrade Junior, Jacob C. Netto, Rafael Galbieri e Guilherme G.Rolim.

O Instituto, ligado a Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (AMPA), abordará temas como visão holística sobre resistência, monitoramento da suscetibilidade do bicudo do algodoeiro aos inseticidas, ações de manejo e monitoramento da suscetibilidade de capim pé de galinha conduzidas pelo IMAmt, UFMT e HRAC e controle de tiguera e soqueira de algodão resistente a herbicidas.

De acordo com o pesquisador do IMAmt Edson R. de Andrade Junior, o principal objetivo do Seminário é divulgar e discutir os resultados de estudos que são conduzidos em Mato Grosso.

O primeiro seminário ocorreu em agosto de 2018 em Sinop e, conforme o pesquisador do IMAmt, recebeu manifestações de interesse de continuidade. “A realização anual dos seminários visa a construção e manutenção de uma rede estadual de colaboração científica para monitorar e propor soluções a fim de mitigar os prejuízos causados pela resistência. Com a colaboração de técnicos atuantes em todas as regiões do estado e intercâmbio de informações entre pesquisadores será possível estabelecer um mapa de ocorrências e planejar ações de manejo com antecedência, considerando as particularidades de cada região produtora”, diz Edson.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTCE notifica Câmara sobre pagamento de contribuição previdenciária
Próximo artigoSegurança na fronteira