IMAmt lança Manual de Qualidade da Fibra da Ampa

Foto: José Medeiros

Com o objetivo de orientar produtores e técnicos das fazendas atendidas pela Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa) na produção de uma fibra de melhor qualidade, o Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) acaba de lançar o “Manual de Qualidade da Fibra da Ampa”.

No texto de abertura, o presidente da Ampa, Alexandre Schenkel, fala sobre a importância de o produtor de algodão mato-grossense estar atento à qualidade da fibra como “um fator imprescindível na disputa por mercados”, o que inclui a preocupação com a concorrência das fibras sintéticas.

“Qualidade de fibra é um conceito complexo que exige cuidados do início ao fim do processo produtivo: da escolha das variedades utilizadas até a primeira etapa do beneficiamento realizado em nossas fazendas ou em usinas operadas por cooperativas ou terceiros. A busca pela qualidade inclui cuidados no manejo das lavouras e na segurança, envolve capacitação da mão de obra e questões tecnológicas que ilustram bem o nível de sofisticação da cadeia produtiva do algodão”, alerta.

“Conhecer detalhadamente todos esses fatores que incidem sobre a qualidade da fibra e apresentar recomendações para produção de uma fibra de qualidade foi o objetivo do Programa de Qualidade da Fibra de Mato Grosso e desse manual, a fim de auxiliar os produtores de algodão de Mato Grosso a produzir uma fibra de algodão cada vez mais bem adaptada às condições do mercado”, afirma o pesquisador Jean-Louis Belot, editor técnico do Manual, na Introdução.

A publicação foi produzida em parceria com técnicos e pesquisadores de diversas instituições parceiras como o Centre de Coopération en Recherche Agronomique pour le Développement (Cirad), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de Santa Catarina (Senai-SC), a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT – Campus de Rondonópolis), a Universidade do Oeste Paulista (Unoeste – Presidente Prudente) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp – Campus de Botucatu). O Instituto Algodão Social (IAS), as cooperativas Unicotton e Cooperfibra, e a empresa Cotimes do Brasil também colaboraram para a realização do Manual.

O trabalho realizado pelo programa “Qualidade de fibra de algodão no estado de Mato Grosso “, do IMAmt, é o primeiro tema abordado em texto assinado pelo consultor Sérgio Gonçalves Dutra, Ele conduz o programa junto com o pesquisador Jean-Louis Belot desde a sua criação e inclui em seu artigo depoimentos de alguns participantes do Workshop da Qualidade do Algodão, que chegou à quinta edição em 2017.

O tema “A fibra de algodão” está presente em todos os artigos da segunda parte da publicação: “A fibra de algodão: origem, estrutura, composição e caracterização” escrito por Bruno Bachelier e Jean-Paul Gourlot, pesquisadores do Cirad; “Classificação do algodão em pluma” de autoria de Jorge José de Lima, representante da J.G. Cursos de Classificação de Algodão em Pluma e Têxtil Ltda.; “Os laboratórios de classificação HVI no Brasil”, assinado por Edson Tetsuji Mizoguchi da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão  (Abrapa); “Considerações da Santista sobre o índice de fibra curta no algodão (SFI – Short Fiber Index), de autoria de Vanessa Bellote da Santista S.A. e “A qualidade da fibra do algodão de Mato Grosso”, de Jean-Louis Belot.

“A indústria têxtil e a qualidade da fibra” é o título da terceira parte do Manual, que traz mais um artigo de Belot – “Indústria têxtil, mercado mundial e qualidade de fibra para o futuro” –  e um segundo artigo de Jorge José de Lima: “A indústria têxtil e a qualidade da fibra de algodão”.

“Produzir uma fibra de qualidade” é o tema da quarta parte, dividida em cinco artigos. São eles: “Escolha da variedade para produção de uma fibra de qualidade” dos pesquisadores do IMAmt Jean-Louis Belot e Patricia de Andrade Vilela; “Desenvolvimento da planta e qualidade da fibra” de autoria dos professores Fábio Rafael Echer (Unoeste), Ciro Rosolem e Juan Piero Raphael (Unesp Botucatu); “Colheita, armazenamento, transporte e qualidade de fibra”,  de Renildo Luiz Mion (UFMT) e Belot; “Preservar a qualidade da fibra no beneficiamento” de Jean-Luc Chanselme da Cotimes Brasil, e “A miniusina e a escola de beneficiamento de algodão do IMAmt”, de autoria de Rodrigo Sperotto, coordenador da Escola de Beneficiamento instalada no Centro de Treinamento e Difusão Tecnológica Ampa/IMAmt do Núcleo Regional Sul (Rondonópolis).

“Produzir com qualidade” é o tema da parte final do Manual, que conta com os artigos “Segurança nos processos de produção de fibra” do coordenador de Segurança do Trabalho do IMAmt Amandio Pires Jr. e “A sustentabilidade na cotonicultura brasileira: programa de certificação ABR e sistema de licenciamento BCI”, elaborado pelo diretor-executivo do IAS Félix Balaniuc.

Com 343 páginas, o manual está disponível para download nos sites do IMAmt e da Ampa.  Ele foi publicado com apoio financeiro do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), que também apoia o programa Qualidade da Fibra do Algodão no Estado de Mato Grosso.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorJulgamento sobre prisão de Lula será iniciado no dia 4 de maio
Próximo artigoTJMT extingue ação que visava tabelar honorários advocatícios