IMAmt alerta para a presença do bicudo na entressafra do algodão

Relatórios de monitoramento indicam a produtores as áreas de maior risco e trazem orientações de manejo

Foto: Alan Santos/PR/Divulgação

O início do período de entressafra do algodão traz de volta os relatórios do monitoramento do bicudo-do-algodoeiro realizados pelo Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt), através de armadilhas de feromônio instaladas em propriedades de todos núcleos regionais. O bicudo é considerado a maior praga da cotonicultura nacional.

O objetivo desse trabalho, que é feito há algumas safras consecutivas, é chamar atenção para os locais com maior presença de bicudos remanescentes da safra recém-concluída (2017/18).

“Fazendo o levantamento das populações do bicudo em Mato Grosso, temos condições de alertar produtores e técnicos para as áreas que oferecem maior risco, evitando assim grande pressão da praga na safra 2018/19”, explica o entomologista do IMAmt, Guilherme Moura Rolim.

O pesquisador elabora os comentários que acompanham os gráficos elaborados a partir dos dados coletados nas armadilhas.  Esse material é direcionado aos produtores associados à Ampa (Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão) e disponibilizado para consulta nos sites da Ampa e do IMAmt.

De acordo com o primeiro levantamento divulgado na quinta-feira (18), foram observados altos índices de captura do bicudo nos núcleos regionais Centro (região de Campo Verde), Centro Leste (região de Primavera do Leste) e Sul (região de Rondonópolis), nas duas primeiras semanas da pré-safra 2018/19.

“É importante redobrar a atenção nas áreas com maior captura, principalmente naquelas onde houve dificuldade na destruição de soqueira, bem como realizar a destruição de qualquer planta de algodoeiro, evitando a permanência e/ou reprodução do inseto durante a entressafra”, comenta Rolim.

Nos núcleos regionais Norte (região de Lucas do Rio Verde e Sorriso), Médio Norte (região de Campo Novo do Parecis) e Noroeste (região de Sapezal), compreendidos na Região II, os índices de bicudo por armadilha por semana (B.A.S) foram inferiores, porém também preocupantes.

“É de extrema importância a manutenção da vigilância constante, pois o trabalho bem feito nas três últimas safras pode ser perdido, caso haja algum relaxamento ou falta de atenção com as ações que devem ser realizadas nesse período de pré-safra 2018/19”, afirma o pesquisador do IMAmt.

Ele destaca a importância de se realizarem vistorias em todos os núcleos regionais, em meio aos talhões semeados com soja, visando a eliminação das plantas de algodão remanescentes e as eventuais tigueras.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPF abre inquérito para investigar fake news envolvendo candidatos
Próximo artigoMinistro do TSE suspende peça publicitária do PT por “incitar medo”