Imagens mostram Emanuel Pinheiro e quatro deputados recebendo dinheiro

Emanuel

O Jornal Nacional, da TV Globo, divulgou imagens que mostram o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), então deputado estadual, recebendo dinheiro em espécie. Emanuel exerceu o mandato de 2010 a 2014 e foi reeleito para um segundo mandato, mas deixou a Assembleia para assumir a prefeitura da capital.

VEJA A COBERTURA COMPLETA DA DELAÇÃO

Os vídeos foram gravados na sala de Sílvio César Augusto Corrêa, então chefe de gabinete de Silval Barbosa. Assim como o ex-governador, Corrêa fechou acordo de delação premiada com a Procuradoria Geral da República (PGR). O acordo foi homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Outros parlamentares à época também aparecem nas imagens: Luciane Bezerra (PSB), Alexandre César (PT), Ezequiel Fonseca (PP) e Hermínio Barreto.

Ao Jornal Nacional, o prefeito Emanuel Pinheiro disse que não fez nada ilícito e que vai comprovar isso na Justiça. O deputado Oscar Bezerra disse que a mulher, Luciane, recebeu dinheiro para pagar dívidas de campanha.

Mensalinho

No início de agosto, o jornal Folha de S. Paulo já havia divulgado que Silval tinha vídeos de deputados recebendo uma espécie de mensalinho. O ex-governador acusou o ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), de articular um esquema para liberar dinheiro de precatórios (dívidas decorrentes de sentenças judiciais) estaduais em troca do apoio na Assembleia Legislativa. O valor da mesada, segundo relatado pela Folha de S. Paulo, seria de R$ 80 mil.

Ezequiel Fonseca

Ezequiel Fonseca (PP), então deputado estadual

Luciane Bezerra

A então deputada Luciane Bezerra (PSB), hoje prefeita de Juara

Hermínio Barreto recebendo dinheiro

O então deputado Hermínio Barreto

Alexandre César recebendo dinheiro

O então deputado Alexandre César (PT)

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorExtinção da Renca atinge reserva mineral e não ambiental, diz Planalto
Próximo artigoTelefones desligados