Idoso é preso acusado de matar o atual marido da ex-mulher em MT

Familiares disseram que o suspeito vivia ameaçando de morte a vítima

(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Um idoso de 64 anos foi preso nesse domingo (18) acusado de matar um homem de 55 anos, identificado como Ataniel Leite da Silva, que é o atual marido de sua ex-mulher.

A vítima foi encontrada sem vida na Estrada da Cachoeirinha, em Araguaiana (570 km de Cuiabá), por volta das 16h40.

Uma testemunha estava trafegando pela Estrada da Cachoeirinha quando, em uma intersecção, viu um homem caído no chão ao lado de uma bicicleta e sangrando.

Por achar que o homem estava morto, a testemunha foi direto à polícia, que foi até o local e encontrou a vítima deitada no chão, com sangramento na face e na nuca.

Uma equipe de saúde foi acionada e a enfermeira não sentiu pulsação na vítima. A Polícia Civil foi acionada e, por sua vez, chamou a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) de Barra do Garças (520 km de Cuiabá), que constatou o óbito.

A perícia apontou que a vítima havia sido alvejada por um tiro na boca e outro no abdômen. Parentes da vítima apareceram no local e apontaram que o suspeito de ter cometido o crime era o ex-marido da atual companheira da vítima, pois ele vivia ameaçando matar a vítima.

Um chacareiro que mora em frente ao local do crime disse à polícia ter ouvido dois tiros no local cerca de 25 minutos antes da polícia chegar.

A Polícia Militar, então, foi até a chácara que o suspeito mora e não encontrou nada de ilícito. Ainda assim, ele foi detido por ser o principal suspeito do crime e levado para a delegacia.

A vítima foi levada para o Instituto Médico Legal (IML) de Barra do Garças. O caso foi registrado como homicídio doloso.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMT já tem mais vacinados do que infectados com covid-19
Próximo artigoSem provas: defesa tenta reduzir pena de condenado apenas no gogó