Humilhação e até agressões: servidores da saúde “colecionam” casos em polos de vacinação

Prefeitura diz que registra diariamente problemas nos polos de vacinação e alerta para penalidades por desacato a servidores públicos

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre )

Mais de 300 profissionais trabalham na campanha de vacinação contra covid-19 em Cuiabá. Eles estão divididos entre os cinco polos da cidade e lidam diariamente com milhares de moradores que agendaram as doses. E nem sempre o contato é amigável.

Segundo a Prefeitura, os servidores da Saúde têm registrado casos de agressão verbal e ameaças físicas. Os motivos são os mais variados: de pessoas que não aceitam receber a marca de vacina disponível, a pessoas que estão sem a documentação necessária.

A servidora Vera Lucia Ferreira se recorda de um episódio recente: “quando o cidadão soube que a vacina que receberia era a Coronavac, se exaltou. Falou que essa vacina era uma porcaria”.

Antes de deixar o polo de vacinação, ele proferiu palavras de baixo calão contra a equipe, denegrindo os profissionais.

LEIA TAMBÉM

Em outro caso, uma mulher reclamou quando soube que receberia uma vacina de uma marca distinta a de que suas amigas receberam e passou a resistir à vacinação. “Após reclamar muito na tentativa de ‘mudar’ a marca da vacina, foi embora do polo”, conta.

Já no polo da UFMT, “solicitamos o QR Code para o rapaz, mas ele não tinha. Explicamos sobre a necessidade, mas ele continuou insistindo. No final, passou a nos agredir verbalmente”.

“É humilhante, ainda mais sabendo que a pessoa está errada”, lamenta a coordenadora Welignem Leite.

Penalidade

O desacato a funcionário público no exercício da função ou em razão dela é crime previsto no artigo 331 do Código Penal, com detenção de seis meses a dois anos, ou multa.

Use este espaço apenas para a comunicação de erros





Aceito que meu nome seja creditado em possíveis erratas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCRECI credencia somente profissionais formados por instituições autorizadas em MT
Próximo artigoCovid: Rui Ramos recebe alta